15:36 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Imigrantes esperam assistência em frente à enfermaria do centro de imigração no sul da Itália, ilha de Lampedusa.

    Papa e governo italiano se unem para pedir que UE dê assistência na questão dos migrantes

    © REUTERS/ Alessandro Bianchi
    Mundo
    URL curta
    0 18621

    O presidente da Itália e o Papa Francisco se uniram para pressionar a União Europeia (UE) a ajudar mais o país devido ao crescente número de imigrantes que chegam ao país pela costa do Mediterrâneo, especialmente nos últimos dias, em barcos de contrabandistas para fugir das guerras perseguição e pobreza na Síria, Líbia e países da África.

    Com sua grande popularidade e preocupação com questões sociais, a autoridade moral do Papa dá força ao pedido do presidente da Itália, Sergio Mattarella, para que a UE ajude mais o país a lidar com a questão. Desde o início de 2014, cerca de 200 mil pessoas foram resgatadas do mar pela Itália. A onda de migração da última semana, que registrou a chegada de mais de 10 mil migrantes, fez que com cidades da região da Sicília ficassem sem vagas em locais de abrigo.

    "Eu expresso minha gratidão pelo esforço que a Itália está fazendo para receber os muitos migrantes, que, arriscando suas vidas, pedem para serem resgatados", disse o Papa Francisco ao presidente da Itália. "É evidente que as proporções desse fenômeno requerem um envolvimento muito maior", comentou.

    O governo da Itália afirma que irá continuar resgatando os migrantes abandonados no mar por contrabandistas, mas pede que a UE dê mais assistência no resgate e abrigo das pessoas.

    "Há tempos a Itália pede que a UE faça uma intervenção decisiva para dar um fim à contínua perda de vidas no Mediterrâneo, o berço da nossa civilização", disse Mattarella. 

    O comissário da UE para Migração, Dmitris Avramopoulos, afirmou que uma nova política será apresentada em maio. Enquanto isso, ele pediu para os estados membros do bloco ajudarem a lidar com a crise. 

    Neste sábado, um navio chegou ao porto de Messina, na Sicília, com mais de 450 migrantes, incluindo 50 menores de idades da Etiópia, Eritreia e Síria. A polícia prendeu dois suspeitos de contrabando.

    Fonte: Estadão Conteúdo

    Tags:
    Papa Francisco, imigração, imigrantes, Itália, União Europeia, Sergio Mattarella, Papa Francisco, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik