17:04 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Membros das forças de segurança iemenitas se mostram leais aos houthis

    Generais do exército do Iêmen abandonam Houthis e se aliam ao governo no exílio

    © AFP 2017/ MOHAMMED HUWAIS
    Mundo
    URL curta
    0 69307

    Importantes generais do exército que ainda apoiavam o ex-presidente Ali Abdullah Saleh e o grupo rebelde Houthis estão mudando de lado e jurando lealdade ao governo do exílio. Este seria o primeiro sinal de que as tropas, cruciais para a manutenção da rebelião, estão voltando para o controle estatal.

    Embora unidades chave do exército ainda permaneçam leais ao presidente Saleh, um autocrata que governou o pais por muito tempo e foi deposto por uma revolta popular em 2012, as defecções representam um duro golpe ao ex-presidente e seus aliados do Houthis.

    Durante os últimos meses, Saleh explorou as divisões no comando do exército e assegurou a lealdade das principais figuras militares, que lutaram ao lado do Houthis. Entre fevereiro e março, eles forçaram o então presidente Abed Rabbo Mansour Hadi a se exilar na Arábia Saudita.

    A fuga de Hadi levou a Arábia Saudita a anunciar uma coalizão militar formada por dez países para combater o Houthis e restabelecer o governo anterior. Apesar das ofensivas aéreas, a campanha não conseguiu impedir que os rebeldes tomassem o comando de outras regiões do país.

    Hoje, entretanto, combates violentos mostraram fissuras na unidade entre as duas facções. Na cidade de Taiz, a 35ª brigada se voltou contra os rebeldes Houthis e começaram a lutar ao lado de milícias pró-governo, disseram autoridades locais. O regimento controla centenas de quilômetros de Hadramout, a maior província do país. 

    fonte: Estadão Conteúdo

    Mais:

    Enviado especial da ONU no Iêmen renuncia ao cargo
    Situação no Iêmen
    OMS faz balanço trágico dos conflitos no Iêmen
    Tags:
    guerra, Houthis, Abd Rabbuh Mansur Hadi, Ali Abdallah Saleh, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik