02:09 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Jornalista pró-russo Oles Buzina é assassinado na Ucrânia

    Três conhecidos críticos de Poroshenko são assassinados em três dias em Kiev

    © Sputnik/ Aleksei Vovk
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 1021113

    Com a situação política desestabilizada na Ucrânia, assassinatos suspeitos de famosos opositores continuam a acontecer.

    Um famoso jornalista, conhecido por suas opiniões críticas do governo de Pyotr Poroshenko, foi assassinado a tiros em Kiev nesta quinta-feira, no mais recente episódio de uma série de mortes suspeitas de apoiadores da oposição.

    Oles Buzina, de 45 anos, apoiador do ex-presidente Viktor Yanukovych, foi morto na rua. Seu corpo foi encontrado no chão perto do edifício onde morava, nas cercanias do centro da cidade. O chefe do departamento de polícia de Kiev, Alexander Tereschuk, afirmou que uma pistola TT foi a suposta arma do crime.

    De acordo com os vizinhos, o jornalista foi provavelmente morto enquanto fazia uma corrida pela rua. Ele foi encontrado vestindo trajes esportivos. Ele foi assassinado por dois homens vestindo máscaras e que desapareceram da cena do crime em um veículo do tipo Ford Focus com placa de número da Letônia ou da Bielorrussia. 

    Buzina era colunista e editor do jornal diário Segodnya, financiado por Rinat Akhmetov, o homem mais rico da Ucrânia e principal patrocinador do Partido de Regiões de Yanukovych. Buzina era um jornalista de oposição, escritor e apresentador bem conhecido por suas críticas ao governo de Poroshenko.

    Antes, em Kiev, os assassinos do jornalista de Donetsk Sergei Sukhobok foram presos, também na quinta-feira. Sukhobok, um dos fundadores dos veículos online Obkom e ProUA, também era conhecido por sua oposição ao atual regime ucraniano e foi morto no dia 13 de abril.

    Ele escreveu centenas de artigos sobre temas sócio-políticos, sociais, legais e econômicos. Seus trabalhos foram publicados por muitos veículos, mas especialmente no “Ukrainian Truth (“Verdade Ucraniana”, em inglês). Durante alguns meses de 2014, Sukhobok trabalhou em Donetsk. 

    Após os assassinatos brutais, a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores Maria Zakharova afirmou que, infelizmente, era o início de uma purga política na Ucrânia. 

    Na noite anterior, na quarta-feira, Oleh Kalashnikov, ex-integrante do parlamento ucraniano e crítico feroz do governo atual, foi assassinado em Kiev. Ele foi morto a tiros em sua residência.

    “O Ocidente deveria prestar atenção aos assassinatos políticos na Ucrânia em vez da retórica de sanções contra a Rússia”, afirmou Konstantin Kosachev, chefe da Agência Federal para a Comunidade dos Estados Independentes.

    O ex-primeiro ministro ucraniano Mukyla Azarov culpou as autoridades de Kiev pela morte de Kalashnikov. “Notícias terríveis chegaram ontem à noite. O regime de Kiev cometeu mais um crime vergonhoso. Assassinou o conhecido político Oleh Kalashnikov”, escreveu em sua página no Facebook, observando que a vítima era “um verdadeiro patriota da Ucrânia”, “um homem honesto e decente.”

    O ex-primeiro ministro apelou  aos líderes de países do Ocidente, afirmando que “por causa de seu apoio há assassinatos políticos na Ucrânia, e há terror contra oponentes políticos e todo tipo de gente. O que mais precisam fazer esses nazistas para que vocês finalmente entendam e tomem consciência de sua responsabilidade pelo que está acontecendo na Ucrânia?”, disse Azarov.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)

    Mais:

    Moscou: Ocidente deve prestar atenção aos assassinatos políticos na Ucrânia
    Yatsenyuk: Antigas relações comerciais entre Ucrânia e Rússia jamais serão restauradas
    Especialista: União Europeia não conseguirá substituir o gás russo que passa pela Ucrânia
    Putin: Rússia nunca quis impor à Ucrânia um modo de agir
    Tags:
    política, assassinato, Pyotr Poroshenko, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik