12:55 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Militares ucranianos

    Mídia: Ucrânia corre risco de perder controle de armas

    © AFP 2019 / ANATOLII BOIKO / AFP
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 420

    A Suprema Rada (parlamento) da Ucrânia aprovou uma lei segundo a qual a fabricação e venda de armas deixa de requerer uma licença especial, ou seja, passa a ser livre.

    Em situações de conflito armado esta decisão pode levar a riscos internacionais em grande escala, opina o jornalista comentarista ucraniano Dmitry Mendeleev.

    Mendeleev nota que o número de funcionários de estruturas de segurança privadas é o dobro de soldados das Forças Armadas. Ninguém sabe a quantidade de armas que eles têm, mas este número aumenta todos os dias porque os esforços de parar o fluxo de armas da zona de conflito continuam falhando.

    “O problema pode se transformar em uma ameaça à segurança não só local ou regional mas sim nacional”, adverte Mendeleev.

    Base de Alcântara.
    Estadão Conteúdo / Lisandra Paraguassu
    A situação poderá piorar em três meses, quando a lei "Sobre o licenciamento de determinadas atividades" entrar em vigor, isentando de licenças a atividade para desenvolver, fabricar, modernizar, reparar e eliminar armas, equipamento militar, certos tipos de armas e munições. Como resultado, de acordo com o jornalista, a eliminação de munições poderá passar a ser feita "no porão de um prédio de apartamentos", e granadas poderão ser feitas em escritórios.

    Segundo Mendeleev, quando a lei entrar em vigor, a Ucrânia enfrentará problemas bastante graves.

    “Sem os poderes do Estado para regulamentar a criação e produção de artigos militares, será muito mais difícil para a Ucrânia cumprir as suas obrigações internacionais de controle de desenvolvimento e produção de vários tipos de armas”.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    Tags:
    Acordos de Minsk, armamentos, segurança, Suprema Rada, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar