18:56 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro durante discurso anual na Assembleia Nacional, em Caracas, Venezuela

    Maduro "estende a mão" para continuar o diálogo com os EUA na Cúpula das Américas

    © AP Photo / Ariana Cubillos
    Mundo
    URL curta
    0 82

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na primeira sessão da sétima Cúpula das Américas que o seu país está disposto a prosseguir o diálogo com os Estados Unidos, apesar de tensões.

    O líder venezuelano disse "estendo a mão" para que os assuntos entre os Estados Unidos e a Venezuela sejam resolvidos, "em paz, sem a intervenção nos assuntos internacionais de ninguém". Ao mesmo tempo, Maduro disse que "respeita, mas não tem confiança no presidente dos EUA, Barack Obama".

    "Quero futuro com os Estados Unidos, não somos anti-americanos(…), somos anti-imperialistas, como é a maioria do povo americano", disse o líder venezuelano. 

    Maduro disse que entregará ao secretário de Estado, John Kerry, um documento com mais de 11 milhões de assinaturas para que Obama "revogue o decreto contra a nossa nação".

    O presidente venezuelano destacou que seu país não é uma ameaça para os EUA e pediu a suspensão das sanções contra a Venezuela e "o desmantelamento da maquinaria de guerra psicológica, política, econômica e militar que acontece na embaixada dos Estados Unidos na Venezuela".

    Maduro comentou também que neste sábado, 11 de abril, Venezuela lembra os 13 anos do "golpe liderado, promovido e financiado por George Bush" contra Hugo Chávez.


    Mais:

    Dilma critica EUA por embargo a Cuba e sanções contra Venezuela
    EUA tentam criar aliança caribenha contra a Venezuela
    Venezuela planeja a compra de mais armas russas e chinesas
    Sergei Lavrov visita Nicarágua e manifesta apoio à Venezuela
    Venezuela recolhe milhão de assinaturas contra decreto presidencial de Obama
    Tags:
    Cúpula das Américas, Nicolas Maduro, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik