23:06 17 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Valentina Matviyenko, presidente do Conselho da Federação Russa

    Matviyenko: Ocidente usa extremismo para tentar impor “revoluções coloridas” na Rússia

    © Sputnik/ Alexei Nikolsky
    Mundo
    URL curta
    11383162

    O Ocidente usa o extremismo político, étnico e religioso como instrumento geopolítico, inclusive para tentar organizar "revoluções coloridas" na Rússia, segundo disse nesta quarta-feira (1º) a presidente do Conselho da Federação (câmara alta do Parlamento russo), Valentina Matviyenko.

    Segundo ela, "o extremismo é usado como um instrumento geopolítico para remodelar as esferas de influência e derrubar regimes indesejáveis para alguns países, por meio da organização de 'revoluções coloridas'". Para Matviyenko, "o Ocidente faz tentativas de organizá-las [as ‘revoluções coloridas'] também na Rússia", através de esforços dirigidos para "desacreditar as autoridades e desestabilizar a situação” no país, e “usando tanto os elementos extremistas quanto a oposição" para atingir tais objetivos.

    A presidente do Senado russo observou que o governo russo não pretende adotar a política de repressão e supressão do dissenso, e ressaltou que "as autoridades estão prontas para o diálogo com a oposição”, bem como para “continuar a desenvolver a parceria com a sociedade civil”. Segundo ela, “esse diálogo e essa parceria são importantes", mas "é inútil iniciar discussões com aqueles que trabalham sob ordens de fora”, no interesse de um ou mais países estrangeiros.

    Matviyenko disse ainda que as políticas da liderança russa gozam do "apoio da maioria" e que, nesse sentido, uma "revolução colorida" não é uma ameaça para a Rússia. "Mais uma vez, vimos no exemplo da Ucrânia como é importante que o Estado seja o Estado, e não o instrumento de poder para clãs oligárquicos e determinados grupos sociais", concluiu.

    As chamadas revoluções coloridas pretendem se passar por movimentos de cunho puramente nacionalista, mas, de fato, são apoiadas extensivamente por agentes estrangeiros. Na Sérvia, por exemplo, que serviu de palco para o primeiro caso de uma tal revolução colorida – a chamada “Revolução Bulldozer”, que derrubou o ditador Slobodan Milosevic no ano de 2000 –, os Estados Unidos exerceram um papel decisivo, através de entidades como a National Endowment for Democracy (NED), organização financiada pelo congresso americano, a Freedom  House e o International Republican Institute, ligado ao partido republicano. Esses dois últimos contam com polpudos financiamentos por parte da USAID, a agência de desenvolvimento norte-americana que capitaneou movimentos golpistas na América Latina nos anos 60, inclusive no Brasil, segundo revelaram documentos vazados pelo WikiLeaks.


    Mais:

    Países da América Latina apoiam Venezuela contra “imperialismo” dos EUA
    Historiador diz que menção de Obama sobre apoio dos EUA ao golpe na Ucrânia foi ato falho
    Putin: era claro que em Kiev estavam preparados para tomar o poder
    Tags:
    revolução colorida, Conselho da Federação, Valentina Matviyenko, Ocidente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik