09:11 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Autoridades do Irã e do P5+1 reunidas em Lausanne nesta segunda-feira (30) para discutir o programa nuclear de Teerã

    França quer restaurar sanções contra Irã se o país não respeitar promessas

    © REUTERS/ Brendan Smialowski/Pool
    Mundo
    URL curta
    0 30324

    A França propôs medidas para restabelecer as sanções econômicas contra o Irã se Teerã renegar qualquer acordo firmado nas negociações sobre o futuro de seu programa nuclear. A informação é do chanceler francês, Laurent Fabius.

    Ao voltar para Paris na quarta-feira depois de participar de maratona de negociações com o Irã e outras potências mundiais em Lausanne, na Suíça, Fabius disse que a França fez uma série de propostas nos últimos dias, que abordaram as preocupações sobre o número e capacidade de centrífugas no programa nuclear de Teerã, a necessidade de inspeções e as inquietações em torno de pesquisa e desenvolvimento nuclear.

    Paris também propôs "um retorno às sanções se os compromissos não forem mantidos".

    As observações são o sinal mais recente de como a França está adotando novamente a linha mais dura contra o Irã nas negociações destinadas a conter o programa nuclear de Teerã. Embora haja riscos de que a postura de Paris coloque o país em desacordo com a administração dos EUA, o principal diplomata da França disse que progresso tinha sido feito durante a última rodada de negociações e que um acordo ainda era possível.

    Segundo Fabius, o Irã tinha o direito de usar seu programa nuclear para uso civil pacífico, "mas não um braço atômico". 

    fonte: Estadão Conteúdo


    Mais:

    Sexteto prepara-se para compor documento final sobre o Irã
    O que acontecerá no Irã após a revogação das sanções
    Chanceler russo opina que negociações sobre Irã podem ter sucesso
    Irã declara disposição de continuar na mesa de negociações nucleares
    Tags:
    sanções, programa nuclear iraniano, programa nuclear, Laurent Fabius, França, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik