18:14 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Refinaria no Iêmen

    Como a intervenção militar saudita afetará mercado do petróleo?

    © AFP 2017/ KHALED FAZAA
    Mundo
    URL curta
    0 79916

    A intervenção militar saudita no Iêmen agita o mercado, mas não irá provocar saltos bruscos, acreditam especialistas consultados pela Sputnik.

    De acordo com o ex-vice-ministro do Petróleo do Egito, Mahmud Nazym, o conflito pode se arrastar pela península Arábica:

     "Todos os Estados que participam da operação contra o Iêmen são produtores de petróleo, por isso há receios de que o território atingido pelo conflito pode se alargar, o que irá imediatamente afetar o fornecimento. Por isso, muita gente hoje quer comprar mais petróleo para se prover, caso tal roteiro aconteça".

    O especialista acredita que tal situação dá-se devido à "sensibilidade" do mercado petroleiro.

    Já Kamel al-Kharami, especialista em mercado petroleiro do Kuwait, acha que agora o mercado mundial tem um significante superávit do petróleo. Por isso, não haverá uma queda brusca dos preços.

    E Kerim Has, do Centro Nacional de Pesquisas Eurasiáticas turco, lembra que os preços do petróleo dependem bastante da situação no Oriente Médio. Quando há crise ali, os preços sobem. A mesma coisa pode acontecer agora:

    "O Iêmen não é um grande produtor de petróleo. Os preços poderiam ser mais dependentes da mudança das relações entre o Irã e os Estados árabes. Eu acho que os preços irão crescer um pouco, mas no geral, a situação no Iêmen não irá afetá-los muito. Os preços irão oscilar em torno dos 60 dólares [por barril]".

    Porém, o cientista político e diplomata iraniano Seyed Khadi Afaghi não considera que haverá uma subida dos preços.

    De acordo com ele, a Arábia Saudita, "influenciada pelos Estados Unidos", "violou a lei da oferta e demanda" ao aumentar os tempos da produção, o que terminou deteriorando o mercado.    

    Tags:
    Iêmen, Oriente Médio, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik