18:08 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama

    EUA: um terço dos republicanos veem Obama como ameaça maior do que Putin

    © AFP 2017/ NICHOLAS KAMM
    Mundo
    URL curta
    0 1583232

    Segundo uma pesquisa realizada pela Reuters e Ipsos, um terço dos republicanos nos EUA acreditam que a ameaça que o presidente Obama representa para o seu próprio país é muito maior do que as ameaças de Bashar Assad e Vladimir Putin.

    A pesquisa foi realizada na Internet entre 16 e 24 de março, abrangendo 2.809 norte-americanos. Os respondentes deviam avaliar de 1 (inexistente) a 5 (iminente) o nível da ameaça aos EUA representada por certos países, organizações e indivíduos. Participaram da pesquisa 1.083 partidários do partido Democrático (do presidente atual) e 1.059 do partido Republicano.

    A análise das respostas ao questionário mostra que 34% dos republicanos (segundo maior partido dos EUA, opositor ao partido Democrático, do presidente atual) estimam o presidente Barack Obama como uma ameça iminente. A segunda maior ameaça, segundo esta categoria, é o presidente russo, Vladimir Putin (25%). E a terceira (23%) é o presidente sírio, Bashar Assad.

    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, foi visto como ameaça iminente por 34% dos entrevistados, e o aiatolá iraniano Ali Khamenei, por 27% dos respondentes.

    O próprio partido Democrático foi avaliado como uma ameaça iminente aos Estados Unidos por 27% dos republicanos. Já o partido Republicano mereceu tal atitude por 22% dos democratas.

    A maior preocupação dos participantes da pesquisa foi o terrorismo. 58% dos respondentes avaliaram o Estado Islâmico e seus militantes como ameaça iminente. O "rating" da Al-Qaeda é 43%.

    39% dos pesquisados acreditam que ataques cibernéticos são uma ameaça iminente, e cerca de 33% veem ameaça iminente no tráfico de drogas.

    Segundo a própria Reuters, a margem de credibilidade da pesquisa é de aproximadamente 2.1 pontos.

    Tags:
    Kim Jong-un, Bashar Assad, Barack Obama, Vladimir Putin, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik