06:12 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Javad Zarif, e o Chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, entre outros membros de sua delegação em Lausanne, 27 de março de 2015

    Irã declara disposição de continuar na mesa de negociações nucleares

    © REUTERS/ Brendan Smialowski/Pool
    Mundo
    URL curta
    0 29552

    A delegação do Irã nas negociações nucleares em Lausanne está pronta para continuar as conversações durante o tempo que for preciso, mas por enquanto, a discussão não foi capaz de chegar a qualquer resultado, segundo declarou o vice-chanceler iraniano Abbas Araqchi neste sábado (28).

    O enviado iraniano também disse estar absolutamente certo de que as negociações não resultarão na assinatura de nenhum documento.

    Araqchi acrescentou que ainda não houve nenhuma decisão sobre se o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, e o chanceler russo, Sergei Lavrov, terão uma reunião no domingo (29) para discutir o programa nuclear iraniano.

    Por mais de um ano, Teerã e o P5+1, grupo de negociadores internacionais composto por Rússia, Estados Unidos, China, Reino Unido, França e Alemanha, têm mantido conversações para chegar a um acordo global que garanta a natureza pacífica das atividades nucleares do Irã.

    Os lados estabeleceram o final de junho de 2015 como prazo para se chegar a tal acordo, mas se espera que um quadro político para o acordo esteja pronto até 31 de março.

    A mais recente rodada de negociações sobre o programa nuclear iraniano começou em Lausanne, na Suíça, na última quinta-feira (26) e vai durar até domingo.

     

    Mais:

    Irã rejeita proposta norte-americana de congelamento das atividades nucleares
    Conversa ministerial sobre o programa nuclear do Irã deve ser realizada no domingo
    Brasil se abstém em votação da ONU sobre direitos humanos na Síria e no Irã
    Tags:
    programa nuclear iraniano, acordo nuclear, P5+1, Lausanne, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik