05:57 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Segundo piloto do avião A320, Andreas Lubitz

    Ex-namorada do copiloto do A320 diz que ele queria "mudar o sistema"

    © REUTERS/
    Mundo
    URL curta
    0 168828

    Ex-namorada do copiloto do avião A320 que caiu nos Alpes franceses, Andreas Lubitz, contou que ele queria entrar na história e "mudar o sistema".

    A moça disse na entrevista ao jornal alemão Bild, que Lubitz estava planejando fazer um gesto espetacular para que "todos o lembrassem". 

    "Antes isso não significava nada para mim, mas agora significa", disse ela.

    De acordo com ela, Andreas Lubitz era uma pessoa fechada e tinha pesadelos. "À noite, acordava e gritava: Estamos caindo! Ele sabia como esconder das outras pessoas o que sentia.

    "Quando eu soube do acidente, lembrei-me do que ele dizia, que um dia faria algo que mudaria o sistema e todo mundo lembraria o nome dele", contou ela. 

    O avião A320 da empresa alemã Germanwings, que fazia o voo 9525 de Barcelona (Espanha) a Dusseldorf (Alemanha), caiu na terça-feira (24) nos Alpes franceses. A queda durou 8 minutos, morreram 144 passageiros e seis membros da tripulação. Segundo a principal versão do acidente, o copiloto Andreas Lubitz tomou controle total do avião isolando o comandante de voo fora da cabine. Lubitz, cujas ações supostamente levaram ao acidente, sofreu de depressão grave seis anos atrás e era regularmente observado por médicos. Os documentos encontrados em sua casa serão examinados por especialistas e, em seguida, enviados para os investigadores na França. 

    O diretor executivo da Lufthansa, Carsten Spohr, disse que Lubitz interrompeu "por algum tempo" o treinamento de voo, iniciado em 2008. Amigos do piloto relataram que ele teve uma parada no ensino em 2009, em conexão com "esgotamento e depressão". Lubitz continuou depois a sua educação no centro da Lufthansa. Ele foi autorizado a voar como piloto de aviões Airbus A320 em 2013.

    Tags:
    acidente, avião, Alemanha, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik