07:04 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Destruições perto do aeroporto de Sanaa no Iêmen após golpes aéreos, 26 de março 2015

    Rússia critica intervenção militar externa no Iêmen

    © REUTERS/ Khaled Abdullah
    Mundo
    URL curta
    0 2378303

    A Rússia fez um apelo para cessar o bombardeio de países terceiros no Iêmen, que, de acordo com as últimas informações, já tirou a vida de 65 pessoas.

    Em um comunicado divulgado nesta quinta-feira, o ministério das relações exteriores da Rússia expressou seu apoio à "soberania, unidade e integridade territorial" do Iêmen e pediu a todas as partes envolvidas no conflito, incluindo os parceiros externos, para "cessar imediatamente as  hostilidades e desistir de atingir objetivos com armas na mão".

    De acordo com o relatório, a situação no Iémen só pode ser resolvida através de um amplo diálogo nacional e "a Rússia oferece a sua contribuição estabelecendo contatos com as partes em conflito, inclusive no âmbito da ONU".

    A Arábia Saudita, que lidera a operação militar no Golfo Pérsico, planeja envolver milhares de soldados na operação e 100 aviões. 

    Os Emirados Árabes, por sua vez, enviaram 30 aviões para a região. Países como Kuwait, Qatar, Jordânia e Bahrein também manifestaram a disposição de intervir com suas forças aéreas.

    O vice-presidente da Comissão de Assuntos Internacionais da Duma estatal (câmara baixa do Parlamento russo), Leonid Kalashnikov, declarou que a intervenção da Arábia Saudita é “inaceitável” para as instituições internacionais.  


    Mais:

    Operação militar no Iêmen: 65 civis mortos em golpes aéreos contra Sanaa
    Arábia Saudita inicia operação militar no Iêmen
    Ministro de Relações Exteriores do Iêmen pede intervenção contra rebeldes
    Tags:
    intervenção militar, soberania, Iêmen, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik