01:41 19 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Rublos e yuans

    BRICS podem concretizar estratégia da parceria econômica na cúpula de 2015

    © Sputnik/ Aleksandr Demyanchuk
    Mundo
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    0 1957334

    Segundo embaixador especial da chancelaria russa, o Ocidente continua pressionando o grupo.

    Em 15 de abril, os representantes dos países-membros do grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) irão analisar um projeto conjunto de pareceria econômica russo-chinesa. O documento faz parte de uma estratégia comum da parceria econômica dos BRICS, comenta o sous-sherpa da Rússia no grupo, embaixador especial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Vadim Lukov.

    A versão definitiva desta estratégia pode ser aprovada na próxima cúpula dos BRICS, que terá lugar em julho do ano em curso na cidade de Ufa, na Federação da Rússia.

    A Rússia assumirá a presidência rotativa do grupo a partir de 1 de abril.

    Confrontação

    O embaixador Lukov comentou também que o grupo BRICS está sentindo uma clara "pressão" por parte do Ocidente, especialmente nos assuntos relativos à reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) e à situação na Ucrânia.

    Contudo, Lukov sublinha que o BRICS não pretende confrontar ninguém.

    "Nós consideramos que a melhor resposta [à confrontação imposta pelo Ocidente] será a não participação da polêmica com essas forças. Eles têm o seu próprio programa e é muito difícil convencê-los da nossa não conflituosidade, por muito que falemos e expliquemos isso", disse o sous-sherpa da Rússia.

    Em 2014, os países-membros do grupo BRICS formalizaram a criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS e do Arranjo Contingente de Reservas, instrumentos financeiros alternativos ao FMI. Contudo, os responsáveis por esses mecanismos afirmam que o seu objetivo não é substituir completamente o FMI, senão oferecer uma opção de escolha.

    Vice-chanceleres dos BRICS discutirão Oriente Médio

    A Rússia prevê também uma reunião de vice-ministros das Relações Exteriores dos BRICS em abril ou maio de 2015, comenta o sous-sherpa Lukov. O foco da reunião será o Oriente Médio.

    Já o encontro anual ao nível de ministros das Relações Exteriores terá lugar em setembro em Nova York. Segundo Lukov, "são o lugar e a época tradicionais para estas reuniões".

    Argentina ainda não entra nos BRICS

    Além disso, o embaixador Lukov declarou que ainda não há planos de aceitar a Argentina no seio dos BRICS.

    No ano passado, após a cúpula dos chefes de Estado dos BRICS no Brasil, surgiram especulações sobre a possibilidade de os BRICS se acrescentarem o "A" da Argentina.

    Lukov explicou que há propostas de parceria que os BRICS oferecem à Argentina, mas ainda não se trata da adesão do país ao grupo.

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    Cúpula de Ufá vai decidir destino do BRICS
    Grupo BRICS se reúne em Brasília para discutir segurança alimentar do planeta
    Novo governo grego tem intenção de reforçar cooperação com BRICS
    Diretor-executivo do FMI: “Entre os BRICS, Índia é o país que tem melhor desempenho”
    Cientistas russos vão coordenar projeto de biotecnologia do BRICS
    Tags:
    Novo Banco de Desenvolvimento, FMI, BRICS, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik