04:39 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Ex-presos de Guantánamo Ali Hussain Shaabaan, Abdul Bin Mohamed Abis Ourgy, Omar Mahmoud Faraj e Mohamed Tahanmatan em uma praia no Uruguai em dezembro de 2014

    Uruguai não receberá mais ex-presos de Guantánamo

    © AFP 2017/ PABLO PORCIUNCULA
    Mundo
    URL curta
    133082

    O Uruguai não irá mais receber ex-presos de Guantánamo, determinou o governo.

    O governo do Uruguai recusou-se a receber novos ex-presos da prisão norte-americana Guantánamo.

    "Não vão vir mais presos de Guantánamo, isso é definitivo", frisou o chanceler do país, Rodolfo Nin Novoa.

    A decisão é produto de uma longa discussão governamental. O ex-presidente uruguaio, José Mujica, que foi o principal partidário da recepção dos ex-presos de Guantánamo, também expressava preocupação por causa das dificuldades que eles enfrentavam no país anfitrião.

    Trata-se principalmente das dificuldades com a língua e barreiras culturais. Estudar a língua e buscar emprego foi a opção proposta por Mujica em dezembro, mas a situação é agravada pelos longos anos de isolamento em uma das cárceres mais duras que existem no mundo.

    Foi em dezembro de 2014 também que o então presidente do Uruguai visitou os ex-presos em Montevidéu. A reunião não foi completa, pois faltou Jihad Ahmad Dhiab, que estava na Argentina pedindo asilo lá e exortando o governo daquele país a aderir ao plano dos EUA de distribuir os ex-presos entre diferentes países do mundo.

    Os outros ex-prisioneiros são o tunisino Abdul Bin Mohamed Abis Ourgy (49), o palestiniano Mohamed Tahanmatan (35) e os sírios Ahmed Adnan Ahjam (37), Ali Hussain Shaabaan (32) e Omar Mahmoud Faraj (39). Todos eles vieram ao Uruguai junto com Diyab em dezembro de 2014.

    Na semana passada, informava-se que Diyab, de mãe argentina, podia realizar uma greve de fome na frente da embaixada dos Estados Unidos em Montevidéu. Na segunda-feira (23), ele próprio descartou esta possibilidade. E pediu uma reunião com o chanceler uruguaio.

    Famílias sírias

    O alojamento no Uruguai de refugiados sírios também será suspenso até o final do ano em curso. Segundo Nin Novoa, tal decisão deve-se à "faltas de cultura e infraestrutura para acolhê-los". No entanto, a mídia local especula que já teria havido vários incidentes ligados à violência doméstica contra a mulher nestas famílias.

    As primeiras famílias sírias chegaram ao Uruguai em outubro de 2014.

    Mais:

    Ex-preso de Guantánamo pede a Argentina para acolher outros detentos
    Ex-prisioneiros de Guantánamo falam sobre a vida na liberdade
    Tags:
    prisioneiros, Guantánamo, José Mujica, Uruguai, América Latina, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik