11:46 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    O premier da Grécia, Alexis Tsipras, com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Berlim

    Tsipras alerta para a necessidade de acabar com os estereótipos na Europa

    © AFP 2017/ Tobias Schwarz
    Mundo
    URL curta
    0 460104

    O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, disse nesta segunda-feira em Berlim que o seu país deseja permanecer na zona do euro e que o seu governo fará o possível para que seja assim. Segundo ele, para que isso aconteça, é preciso, entre outras coisas, acabar com certos estereótipos na Europa.

    "Nem os gregos são preguiçosos, nem os alemães são responsáveis por todos os nossos males. Temos que trabalhar em conjunto para quebrar os estereótipos de um lado e de outro", declarou o premier grego durante uma coletiva de imprensa após encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel. "Sabemos que a Europa se baseia no respeito aos tratados e neles há alguns pontos sobre os quais podemos discordar, mas nós respeitamos esses princípios e continuaremos respeitando". 

    Tsipras disse esperar que a reunião de hoje, apesar das divergências ainda existentes, inaugure uma nova fase nas relações entre Grécia e Alemanha, com base na confiança mútua e na cooperação. Destacando os atuais problemas de liquidez da economia grega, que ele disse ter herdado do governo anterior, o político se mostrou convencido de que, em breve, Atenas e Berlim chegarão a um acordo sobre as reformas que precisam ser executadas para que os gregos continuem recebendo empréstimos internacionais.

    “De fato, devemos estar cientes das reformas que têm que ser feitas para que haja ao mesmo tempo justiça social e para que se possa sair da crise dos últimos anos”, argumentou o primeiro-ministro, lamentando o agravamento das desigualdades sociais em seu país. 


    Mais:

    Grécia: Tsipras rejeita atual acordo da dívida
    Tags:
    euro, encontro, dívida, União Europeia, Alexis Tsipras, Angela Merkel, Europa, Atenas, Alemanha, Berlim, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik