11:48 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Federica Mogherini

    Europa perdeu Cuba para EUA

    © AFP 2017/ EMMANUEL DUNAND
    Mundo
    URL curta
    0 1726193

    Em meio ao processo de reaproximação com os EUA, Cuba recebe nesta semana visitas da UE e da Rússia.

    A semana começa nesta segunda-feira (23) com a visita da Alta Representante para Assuntos Diplomáticos da União Europeia, Federica Mogherini. Depois, na terça (24) é o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, quem chegará à ilha para iniciar a sua turnê latino-americana.

    A mídia internacional comenta que a visita de Mogherini visa formalmente fomentar o desenvolvimento dos direitos humanos no país. Segundo a própria diplomata, citada pela Rádio Havana Cuba, a viagem é uma "retomada de um diálogo importante e carregado de futuro". Esta declaração foi feita por ela durante o recente fórum da CELAC com a UE, que teve lugar em Bruxelas.

    Cuba tem feito parte da agenda marginal da UE no último período. Faz anos que nenhum funcionário europeu visita a ilha. Assim, Mogherini é a primeira alta funcionária europeia a deslocar-se ao país.

    Em entrevista à agência EFE, citada pela mídia internacional, ela descarta que a sua visita seja uma reação à reaproximação com os EUA. Em vez disso, sublinha que persegue continuar as negociações que começaram no ano passado.

    Porém, é claro também para os europeus que "Mogherini necessita impedir que a recente abertura de Washington perante o seu antigo inimigo acabe deixando de lado a Europa". São palavras do correspondente europeu Pablo Suanzes do jornal espanhol El Mundo.

    O mundo tem acompanhado as relações entre os Estados Unidos e Cuba. Mas sabe o mundo algo relevante das relações entre Cuba e UE?

    Além disso, prossegue o artigo do El Mundo, a Europa já perdeu a partida para os EUA, que apresentou uma proposta interessante ao Estado com o qual tinha mantido um grau elevado de inimizade durante meio século. Outro assunto que deverá ainda ser aclarado no futuro é qual o preço que Cuba terá que pagar pela união com os EUA. No momento, diversos analistas consultados pela Sputnik concordam em que a reaproximação não será gratuita.

    Um dos focos principais das conversações de Mogherini com o seu colega cubano, Bruno Rodríguez, serão os direitos humanos. O Observatório Cubano dos Direitos Humanos (OCDH, com sede em Madrid), citado pelo Diário de Cuba, solicitou também que a chefe da diplomacia europeia se encontre, em um dos dois dias da sua visita, com a oposição para discutir este assunto, "dando visibilidade e legitimidade às pessoas e aos grupos que são a alternativa à única visão que tem regido os destinos dos cubanos há mais de meio século".

    Lavrov, em contrapartida

    O chanceler russo, Sergei Lavrov, também assegura que o processo da reaproximação entre os EUA e Cuba não afeta as relações da Rússia com a ilha caribenha. A visita que o diplomata realizará nesta terça comemorará antecipadamente os 55 anos do restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países e fará parte de uma série de visitas que Lavrov realizará ao longo desta semana no continente latino-americano.

    O ministro russo pretende abordar uma variedade de assuntos cubano-russos durante o encontro com Bruno Rodríguez. Mas sublinha que a parceria segue igual e se desenvolvendo.

    Tags:
    Federica Mogherini, Sergei Lavrov, América do Sul, Cuba, América Latina, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik