23:29 30 Abril 2017
Ouvir Rádio
    Maurizio Lupi, ministro dos Transportes da Itália

    Ministro dos Transportes da Itália renuncia em meio a escândalo de corrupção

    © REUTERS/ Remo Casilli
    Mundo
    URL curta
    0 12511

    O ministro de Infraestrutura e Transportes da Itália, Maurizio Lupi, renunciou ao cargo nesta sexta-feira, depois de fazer um discurso ao Parlamento. Ele deixa o ministério em meio a um escândalo de corrupção que constrangeu o governo do primeiro-ministro Matteo Renzi.

    Lupi, que não está sendo investigado no caso de corrupção em contratos públicos, vinha enfrentando crescente pressão para renunciar após a polícia prender quatro pessoas na última segunda-feira. Uma das quatro é um ex-funcionário do ministério, e suas ligações com Lupi levantaram críticas.

    Nesta sexta-feira, Lupi defendeu seus 22 meses como ministro e rejeitou as acusações de que ele pediu favores de um dos funcionários presos para seu filho. "Eu nunca exerci pressão sobre ninguém para encontrar um emprego para meu filho", disse aos parlamentares, confirmando a renúncia.

    Analistas acreditam que o impacto da renúncia de Lupi sobre o governo de Renzi será limitado, embora o movimento possa prejudicar as relações com o Novo Centro-Direita, partido do agora ex-ministro e parceiro da coalizão governista. O próprio Renzi deverá dirigir o ministério enquanto não encontra um substituto para Lupi.

    O primeiro-ministro também deve responder ao escândalo com a aceleração dos esforços anticorrupção do governo. O combate à corrupção endêmica — que é visto como um forte impedimento ao investimento externo na Itália — tem sido uma das principais prioridades para Renzi e seu governo.

    fonte: Estadão Conteúdo

    Mais:

    França, Alemanha e Itália querem entrar no Banco Asiático de Investimento
    Itália salva cerca de mil imigrantes em missão de resgate
    Itália e Alemanha fecham temporariamente embaixadas no Iêmen
    Tags:
    corrupção, demissão, Maurizio Lupi, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik