11:07 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista do Kremlin de Moscou

    67% dos alemães consideram a Rússia uma “potência mundial”

    © Sputnik/ Evgeniya Novozhenova
    Mundo
    URL curta
    0 1838151

    Uma pesquisa mostra que a maioria de alemães considera a Rússia um jogador poderoso na arena global.

    A maior parte de cidadãos alemães considera a Rússia um país poderoso que exerce um impacto importante nos processos internacionais, segundo uma sondagem feita pelo Instituto de Estudo de Opinião Pública Allensbach, escreve o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung.

    Respondendo à pergunta “se a Rússia ainda é uma potência mundial», 67% dos respondentes disseram “Sim”. Segundo os sociólogos, a sondagem mostrou os mesmos resultados em 2008. Porém, em 2011 só 38% dos respondentes consideravam a Rússia uma potência mundial.

    A publicação mostra que o número de pessoas na Alemanha que concorda com a afirmação que “a Rússia tem um papel importante na política mundial” cresceu de 72% a 82% nos últimos anos.

    Ao mesmo tempo, só 21% dos respondentes acham que as sanções antirrussas devem ser suavizadas ou abolidas. 39% dos alemães pensam que as medidas restritivas devem permanecer, enquanto 19% são em favor do aumento da pressão sobre a Rússia.

    Ainda no ano passado, os Estados Unidos, a União Europeia e os seus aliados acusaram a Rússia de intervir no conflito ucraniano, inclusive prestando uma suposta assistência militar para os independentistas da região de Donbass, que haviam se insurgido por se recusarem a reconhecer a legitimidade do novo governo em Kiev.

    Desde março de 2014, o Ocidente já impôs várias rodadas de sanções contra Moscou, visando não só indivíduos de alto escalão, mas também os setores bancários, de energia e de defesa da Rússia.

    O Kremlin tem repetidamente negado qualquer envolvimento na crise interna da Ucrânia e qualifica as sanções como contraproducentes.

    Tags:
    opinião pública, sondagem, Rússia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik