00:44 29 Junho 2017
Ouvir Rádio
    Dias Escuros da Ucrânia

    Conflitos mundiais resultaram em mais mortes em 2014

    © Sputnik/ Valeriy Melnikov
    Mundo
    URL curta
    0 26205

    O número de mortos nos conflitos mais brutais do mundo subiu mais de 28% no ano passado em comparação com 2013, com o derramamento de sangue na Síria sendo o pior entre todos pelo segundo consecutivo, constatou um estudo divulgado nesta quarta-feira (18).

    O instituto Projeto para o Estudo do Século 21 analisou dados de fontes como o Exército dos EUA, a ONU, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos e o Iraqi Body Count, que mostraram que mais de 76 mil pessoas foram mortas na Síria no ano passado, superando as 73.447 vítimas fatais em 2013. Muitas das guerras mais violentas envolvem grupos radicais islâmicos.

    Cerca de 21.000 vidas foram perdidas no Iraque na luta do governo contra o Estado Islâmico, seguido pelo Afeganistão, com 14.638 mortes, e da Nigéria, com 11.529, de acordo com a análise que destaca que os dados poderiam facilmente subestimar a realidade. "Avaliar os números de baixas em conflitos é notoriamente difícil e muitos dos quadros que estamos olhando aqui estão provavelmente subestimados", disse o diretor executivo do instituto, Peter Apps. Ele, porém, argumenta que "o importante, entretanto, é que quando você compara os dados de 2014 e 2013, há um aumento muito significativo”.

    O conflito no Leste da Ucrânia está em oitavo na lista, sendo que em 2013 praticamente não houve conflito no país. Em todo o mundo, pelo menos 14 guerras separadamente mataram mais de 1.000 pessoas em 2014, contra 10 disputas em 2013.

    A pesquisa aponta para uma tendência em desenvolvimento. No ano passado, o Instituto para a Economia e Paz, que tem sedes na Austrália e nos EUA, relatou um aumento anual na violência relacionada a conflitos desde 2007.

     

    Reuters

    Tags:
    conflitos, guerras, mortes, violência, estudo, ONU, Estado Islâmico, Austrália, Nigéria, Iraque, Afeganistão, Síria, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik