15:29 30 Março 2017
Ouvir Rádio
    Donald Tusk

    Presidente do Conselho Europeu quer manter sanções antirrussas

    © REUTERS/ Yves Herman
    Mundo
    URL curta
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (179)
    0 357011

    O presidente do Conselho Europeu e ex-premiê da Polônia, Donald Tusk, apela a manter em vigor as sanções da União Europeia contra a Rússia como medida de apoio à realização dos acordos de Minsk e às relações entre os EUA e a UE.

    “Os acordos de Minsk fazem sentido somente se forem realizados completamente. A realização parcial será muito arriscada para a Ucrânia”, disse Tusk ao jornal britânico The Guardian e a mais cinco publicações europeias. 

    “Em primeiro lugar, precisamos da realização completa [dos acordos], inclusive o controle completo das fronteiras ucranianas… Se queremos apoiar os acordos de Minsk, devemos pelo menos manter as sanções já existentes. Se a Europa não mantiver as atuais sanções, ficaremos perante um momento muito importante nas relações transatlânticas. Para os norte-americanos é inadmissível estar mais envolvidos no conflito ucraniano do que a Europa. É a posição clara da administração [do presidente dos EUA Barack] Obama”, acrescentou Tusk.

    Ainda no ano passado, os Estados Unidos, a União Europeia e os seus aliados acusaram a Rússia de intervir no conflito ucraniano, inclusive prestando uma suposta assistência militar para os independentistas da região de Donbass, que haviam se insurgido por se recusarem a reconhecer a legitimidade do novo governo em Kiev.

    Desde março de 2014, o Ocidente já impôs várias rodadas de sanções contra Moscou, visando não só indivíduos de alto escalão, mas também os setores bancários, de energia e de defesa da Rússia.

    O Kremlin tem repetidamente negado qualquer envolvimento na crise interna da Ucrânia e qualifica as sanções como contraproducentes.

    Tema:
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (179)
    Tags:
    sanções, Conselho Europeu, Donald Tusk, União Europeia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik