17:54 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin

    Putin: se situação na Crimeia se repetisse, eu faria o mesmo

    © Sputnik/ Michael Klimentyev
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 532

    O presidente russo, Vladimir Putin, disse que, se a situação do ano passado na Crimeia se repetisse, ele teria feito exatamente o mesmo.

    "É claro! Eu nunca faria isso se não estivesse confiante que devíamos agir assim", disse Putin em entrevista no filme "Retorno à Pátria", exibido no canal Rossiya 1.

    O presidente disse ainda que o principal objetivo da Rússia na Crimeia era evitar o derramamento de sangue porque a situação poderia ter sido pior do que em Kiev durante os confrontos na Maidan (praça de Independência).

    "Estou certo que na Crimeia poderia ter sido pior por causa da composição étnica da população. Tivemos que tomar algumas medidas para evitar desenvolvimentos negativos, para evitar as tragédias que aconteceram em seguida em Odessa, onde foram queimadas vivas dezenas de pessoas. Precisávamos evitar o derramamento de sangue", disse Putin.

    Ele afirmou que era necessário proteger os habitantes da Crimeia e não havia outra escolha: a Rússia tinha informações de que as autoridades ucranianas radicais estavam prontas para levar a cabo uma grande ação terrorista na península. A Rússia poderia até acionar as suas forças nucleares mas os dirigentes do país estavam convencidos de que isso não seria necessário. Putin acrescentou que, após o referendo, o Ocidente tentou por todos os meios possíveis impedir a reunificação da Crimeia com a Rússia.

    Falando sobre o golpe ucraniano, o chefe de Estado disse que a Rússia sabia desde o início que os EUA estavam por trás dos acontecimentos na Ucrânia, embora formalmente fosse a Europa quem apoiava a oposição ucraniana.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    Tags:
    Vladimir Putin, Crimeia, Europa, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik