04:17 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, Evo Morales e Rafael Correa durante abertura de cúpula da Aliança Bolivariana para as Américas (ALBA) - julho de 2013

    Países da América Latina apoiam Venezuela contra “imperialismo” dos EUA

    © AP Photo/ Dolores Ochoa
    Mundo
    URL curta
    0 361

    Claramente furioso com a decisão da administração Obama de declarar a Venezuela uma "ameaça extraordinária à segurança nacional", o presidente Nicolás Maduro exigiu que Washington mostre alguma “evidência" de como Caracas ameaça os Estados Unidos.

    "Exigimos, através de todos os canais diplomáticos globais, que o presidente Obama retifique e revogue o decreto imoral que classifica a Venezuela como uma ameaça para os Estados Unidos", disse Maduro, em um discurso durante uma "marcha anti-imperialista" convocada na capital de seu país.

    Enquanto isso, vários líderes latino-americanos estão se alinhando para apoiar o presidente venezuelano, afirmando que Washington ultrapassou seus limites e interferiu em assuntos regionais nos quais não tem nenhum envolvimento.

    "Este é um ataque inaceitável à soberania da Venezuela", segundo declararam as autoridades equatorianas.

    A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, disse que era ridículo pensar que a Venezuela poderia representar uma ameaça a tal superpotência. "É absolutamente inacreditável pensar que a Venezuela é o problema. É absurdo e injustificável", disse ela.

    Cuba classificou a ação de Washington como "arbitrária e agressiva". O governo boliviano, por sua vez, disse que a ordem executiva de Obama foi "intervencionista" e fez lembrar uma ditadura.

    Chamando os Estados Unidos de "Estado policial imperialista", Maduro voltou a acusar a administração Obama de tentar derrubar seu governo, o qual foi "democraticamente eleito", segundo lembrou o chefe de Estado. 

    Além de declarar a Venezuela uma ameaça, a ordem executiva de Obama também impôs sanções contra sete oficiais militares e funcionários governamentais do país latino-americano.

    A Casa Branca argumenta que o governo venezuelano persegue opositores, limita a liberdade de imprensa e viola os direitos humanos – alegações que Maduro rejeita como uma conspiração contra ele.

    O líder venezuelano disse ainda que está considerando viajar para Washington a fim de desafiar Obama sobre as afirmações da Casa Branca, e afirmou que seu governo está preparando um evento na capital norte-americana para refutar a rotulagem.

    "Talvez eu apareça em Washington, para mostrar meu rosto pelo meu país e dizer ao governo em Washington que eles estão cometendo graves erros", disse ele.

    Mais:

    Bolívia condenou as sanções dos EUA contra Venezuela
    Chanceler venezuelana destaca segundas intenções dos EUA ao decretar sanções
    Venezuela critica novas sanções dos EUA
    EUA introduzem sanções contra altos funcionários da Venezuela
    Tags:
    sanções, Nicolas Maduro, Barack Obama, Bolívia, Venezuela, Equador, Cuba, América Latina, EUA, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik