13:50 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Fotografia de Alberto Nisman com bandeira da Argentina ao fundo

    Justiça argentina convocará junta médica para esclarecer morte de promotor

    © AP Photo/ Rodrigo Abd
    Mundo
    URL curta
    0 11

    A Justiça argentina vai convocar uma junta médica para esclarecer novas dúvidas que surgiram sobre a morte do promotor Alberto Nisman.

    Promotor Alberto Nisman foi encontrado no banheiro de sua casa, com um tiro na cabeça,  quatro dias depois de acusar a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, de acobertar os responsáveis pelo pior atentado na história do país.

    A decisão foi tomada pela promotora responsável pelo caso, Viviana Fein, que reconheceu divergências entre o laudo oficial, que diz que Nisman se suicidou, e uma investigação paralela, feita a pedido da família do promotor, informou a Agência Brasil.

    De acordo com a investigação não oficial, Nisman foi obrigado a se ajoelhar de frente para a banheira e recebeu um tiro por trás, de um revólver calibre 22, encontrado ao lado do corpo. Essa descrição detalhada está no relatório de 93 páginas, feito pelos peritos contratados pela ex-mulher com base nos dados fornecidos pelos responsáveis da investigação oficial.

    Apesar dos dados serem os mesmos – fotografias do corpo na posição em que foi encontrado, manchas de sangue, resultados da autópsia – as conclusões das duas equipes de peritos são muito diferentes. Segundo os especialistas da Suprema Corte, Nisman morreu na tarde do dia 18 de janeiro e não há provas suficientes para determinar se foi suicídio ou homicídio. Já os peritos contratados pela família dizem que ele foi assassinado um dia antes, que agonizou e que teve o corpo movido.

    Fein informou que o relatório foi aceito como parte da investigação e que vai investigar “as dissidências, que praticamente são totais, em relação a autópsia” com a convocação da junta médica.

    Nisman era o promotor responsável pelas investigações do atentado de 1994 contra o centro comunitário judaico AMIA, que matou 85 pessoas e feriu mais de 300 em Buenos Aires. Ele acusou o Irã de ter planejado o ataque.

    Em janeiro deste ano, o promotor acusou Cristina Kirchner de conspirar com Irã para acobertar os supostos terroristas. O motivo, segundo Nisman, seria um acordo econômico entre os dois países em que a Argentina compraria petróleo iraniano e venderia trigo e armas. Nisman seria ouvido no Congresso argentino no dia 19 de janeiro, mas foi encontrado morto na véspera.

    Tags:
    Alberto Nisman, Cristina Fernández de Kirchner, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik