17:47 22 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Dmitry Peskov

    Rússia está preocupada com a demora de Kiev em cumprir os acordos de Minsk

    © Sputnik/ Michael Klimentyev
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    0 56051

    Rússia espera que as duas partes do conflito cumpram os seus compromissos e retirem, de modo integral e em tempo devido, todos os armamentos pesados das áreas de conflito, disse o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov.

    As autoridades da Ucrânia não cumpriram a promessa de anistiar os independendistas de Donbass e demonstram falta de vontade em restabelecer a infraestrutura financeira e social no leste do país, afirmou o porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, em entrevista à Associated Press.

    “Infelizmente observamos uma falta de vontade (da realização integral dos acordos de Minsk)…e estamos preocupados com isso. Esperamos que as duas partes do conflito cumpram os seus compromissos e retirem, de modo integral e em tempo devido, todos os armamentos pesados”, disse Peskov.

    Kiev está realizando, desde meados de abril, uma operação militar para esmagar os independentistas no leste da Ucrânia. Estes não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, que assumiram o poder em resultado do golpe de Estado, ocorrido em fevereiro de 2014 em Kiev. Segundo os últimos dados da ONU, mais de 6 mil civis já foram vítimas deste conflito.

    O novo acordo de paz, firmado em Minsk entre os líderes da Rússia, da Ucrânia, da França e da Alemanha, inclui um cessar-fogo global no leste da Ucrânia a partir de 15 de fevereiro. Segundo o acordo, o armistício deve ser seguido pela retirada das armas pesadas da zona de conflito, operação que deve começar "o mais tardar no segundo dia do cessar-fogo e estar concluída no prazo de 14 dias". Este processo já se iniciou mas ainda não terminou.

    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    Tags:
    Acordos de Minsk, ONU, Dmitry Peskov, Minsk, Donbass, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik