19:44 30 Março 2017
Ouvir Rádio
    Cerimônia fúnebre do político Boris Nemtsov

    Caso Nemtsov: Parlamento Europeu pede investigação internacional sobre assassinato

    © Sputnik/ Vladimir Astapkovich
    Mundo
    URL curta
    0 27128

    Membros do Parlamento Europeu exigiram uma investigação internacional sobre o assassinato do político da oposição russa Boris Nemstsov, segundo informa a resolução aprovada nesta quinta-feira (12) em uma sessão plenária em Estrasburgo.

    Vice-primeiro ministro do governo russo na época do presidente Boris Yeltsin, Nemtsov foi morto a tiros em uma ponte no centro de Moscou na noite de 27 de fevereiro, durante um passeio com a namorada Anna Duritskaya, uma ucraniana de 23 anos. 

    A reação ao assassinato do político russo foi imediata. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, que foi informado rapidamente sobre o crime, prestou condolências à família e aos amigos do político e delegou às autoridades de segurança do país a criação de um grupo investigativo misto, com participação do Ministério do Interior e do Serviço Federal de Segurança da Federação Russa (FSB, na sigla em russo).

    A imprensa internacional também reagiu rapidamente à morte de Nemtsov. As notícias, em sua maioria, deram ênfase às atividades oposicionistas do político e informavam sobre a marcha da oposição convocada por ele para o dia 1º de março.

    O secretário de imprensa do Kremlin, Dmitri Peskov, se manifestou a esse respeito à radio Kommersant. “Com todo o meu respeito à memória de Boris Nemtsov, no plano político ele não representava nenhuma ameaça para o governo atual da Rússia e para Vladimir Putin pessoalmente”.


    Mais:

    Suspeitos de assassinato de Nemtsov negam culpa enquanto ativistas falam de torturas
    Sobe para 5 o número de suspeitos da morte de Boris Nemtsov, todos ficarão sob custódia
    Testemunha do assassinato de Nemtsov recebe ameaças de morte
    Tags:
    oposição, assassinato, Parlamento Europeu, Boris Nemtsov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik