15:30 25 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Debaltsevo, Donetsk

    Donetsk afirma que Kiev violou cessar-fogo mais de 400 vezes desde os acordos de Minsk

    © AFP 2017/ ALEKSEY CHERNYSHEV
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    0 45425

    Tropas ucranianas violaram o regime de cessar-fogo mais de 400 vezes após a assinatura dos acordos de paz em Minsk. Quem afirma é o porta-voz do Ministério da Defesa da autoproclamada República Popular de Donetsk, Eduard Basurin.

    Segundo ele, "desde 12 de fevereiro, quando os acordos de paz foram assinados em Minsk, o número de episódios de bombardeios das posições de Donetsk por tropas ucranianas ultrapassou a faixa de 400". Ele acrescentou que as tropas ucranianas bombardearam as posições de Donetsk 20 vezes nas últimas 24 horas.

    De acordo com Basurin, a situação mais crítica permanece sendo nas imediações do aeroporto de Donetsk e sul de Mariupol, onde Kiev está movimentando unidades de veículos blindados e militares. 

    O porta-voz ainda comentou que “apesar de todas as acusações contra as forças de Donetsk, a parte ucraniana continua não poupando esforços para bloquear as atividades da missão de monitoramento da OSCE em territórios controlados, violando abertamente os acordos de Minsk de 12 de fevereiro”. 

    Segundo os últimos dados da ONU, o número de mortos do conflito ucraniano ultrapassa o número de 5.800 pessoas.

    Desde 9 de janeiro deste ano, a intensidade dos bombardeios nas regiões que não reconhecem a legitimidade do governo que chegou ao poder na Ucrânia após a deposição do ex-presidente Victor Yanukovich aumentou significativamente.


    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)

    Mais:

    ONU: cerca de 150 mil pessoas estão sem eletricidade, água e gás na região de Donetsk
    Autoridades de Donetsk registram 16 ataques de artilharia de Kiev nas últimas 24h
    Putin: cessar-fogo em Donetsk entra em vigor às 00h00 de 15 de fevereiro
    Tags:
    cessar-fogo, armamentos, OSCE, Kiev, Donetsk, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik