23:48 22 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Exército chinês

    Exército chinês poderá atacar terroristas no estrangeiro

    © AFP 2017/ FREDERIC J. BROWN / AFP
    Mundo
    URL curta
    0 1719231

    As autoridades chinesas estão na fase final de elaboração da primeira lei antiterrorista no país.

    Se a lei for aprovada, será prova de que a China reconhece o crescimento da ameaça terrorista contra o país e deseja contribuir para a luta global contra o terrorismo, indica o vice-diretor do Instituto dos países da África e Ásia da Universidade Estatal de Moscou Andrei Karneev.

    Agora quase ninguém tem dúvidas de que a China enfrenta as mesmas ameaças e sofre as mesmas formas de atividade terrorista que os países ocidentais. Basta lembrar o massacre violento em Kunming, na província de Yunnan. Em março do ano passado um grupo armado de facas atacou civis na estação ferroviária da cidade, matando 29 pessoas.

    A parte talvez mais importante desta futura lei é o 76º artigo, segundo o qual “O Exército de Libertação Popular e a Polícia Popular Armada podem enviar pessoal ao estrangeiro para a resolução de tarefas antiterroristas”. Isto quer dizer que a China poderá atacar terroristas no estrangeiro.

    Esta possibilidade gera preocupação no Ocidente. Porém, de fato a nova lei legitima uma prática já existente. Por exemplo, a China participa de exercícios antiterroristas da Organização para a Cooperação de Xangai. Além disso, militares chineses, junto com seus colegas de Tailândia, Mianmar e Laos, lutam contra grupos paramilitares no delta do rio Mekong. A lei pode resultar no aumento da participação da China na luta internacional contra o terrorismo.

    Tags:
    lei, Exército, terrorismo, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik