23:48 24 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA

    Opinião: Rússia impede “domínio mundial” dos EUA

    © AFP 2017/ Josh Edelson
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    15271952

    Em 2007, durante o discurso na conferência de segurança de Munique, o presidente russo Vladimir Putin, deixou claro que chegou a hora de mudar para um sistema mundial multipolar, rejeitando assim as tentativas dos EUA de se tornar a única superpotência, escreveu o cientista político e jornalista Mike Whitney.

    O norte-americano Mike Whitney opina que, desde o discurso em Munique, os EUA estavam certos de que tinham o direito de intervir unilateralmente nos assuntos de outros países quando quisessem. Mas, após a declaração de Putin, ficou claro que a Rússia não vai obedecer a Washington e vai proteger a sua soberania.

    Tendo em conta o desejo dos EUA de dominar o mundo, torna-se óbvio que a Rússia é o seu maior problema, que tem de ser resolvido custe o que custar, inclusive através de duras sanções econômicas, um golpe de Estado na vizinha Ucrânia, a diminuição artificial dos preços do petróleo, o ataque especulativo contra o rublo e todo um conjunto de ações que dificultam as relações entre Moscou e seus principais parceiros comerciais da Europa. 

    Como se isso não bastasse, agora o Pentágono planeja enviar 600 fuzileiros navais para a Ucrânia alegadamente para "treinar a Guarda Nacional", que na verdade é uma grave escalada do conflito e viola os Acordos de Minsk.

    Os EUA querem instalar o seu sistema de defesa antimísseis (DAM) na Europa Oriental, e a Rússia simplesmente não tem outra escolha senão se opor, escreve o jornalista. De acordo com Whitney, a Federação da Rússia faz frente aos Estados Unidos, bloqueando a estratégia norte-americana na Ásia, impedindo Washington "de derrubar a Rússia, cercar a China, controlar o fluxo de recursos da Ásia para a Europa e governar o mundo."

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    Tags:
    Acordos de Minsk, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik