19:43 30 Março 2017
Ouvir Rádio
    Bundestag

    Alemanha cria propaganda oficial antirrussa

    © Sputnik/ Vitaly Saveliev
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 2835301

    O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha elaborou instruções internas para seus funcionários. Essas instruções devem orientá-los a responder “corretamente” às 18 afirmações da “propaganda da Rússia” mais divulgadas no âmbito do conflito ucraniano.

    A agência Sputnik pediu a Sevim Dagdelen, deputada do Bundestag pelo partido Die Linke (A Esquerda) e membro do Departamento de Relações Exteriores do Bundestag, que comentasse essa iniciativa do MRE alemão:

    – Quais são os objetivos desse documento? Ele define como os deputados devem pensar?

    – Esse procedimento não tem precedentes, quando o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha se coloca do lado da propaganda oficial do Estado, limitando a ação dos deputados com ordens explícitas que determinam uma linha de orientação.

    Eu considero que isso é revoltante e inadmissível. O mais terrível é que muitos deputados consideram essas instruções ministeriais como absolutamente corretas e estão dispostos a transmiti-las às massas como sendo suas próprias palavras, não se dando ao trabalho de analisar essas determinações de uma forma crítica.

    – Como entende a essência da introdução a esse documento?

    – Eu penso que se trata da criação de uma propaganda oficial do Estado contra a Rússia, o que pessoalmente lamento muito. O caso é que, de acordo com muitas pesquisas representativas da opinião pública, uma grande parte da população vê com desconfiança a abordagem declaradamente russófoba da mídia ocidental, que aborda o conflito da Ucrânia exclusivamente a preto e branco, tentando acusar a Rússia de todos os problemas. A maioria não apoia a política de agravamento, pelo contrário, defende que se procure o entendimento e o desanuviamento.

    Penso que o Ministério das Relações Exteriores tenciona se opor a esse anseio da sociedade – não vejo outra explicação porque, como eu já disse, a esmagadora maioria dos alemães analisa o conflito na Ucrânia de uma forma completamente diferente da política oficial que o governo pratica relativamente à Rússia, mas também à Ucrânia.

    – Por que é que esse documento foi elaborado precisamente agora – pois há muito pouco tempo foi estabelecido o diálogo entre a Europa e a Rússia?

    – É evidente para todos que esse documento não favorece o reforço da confiança e pode apenas agravar a situação. Isso se vê pela própria forma como são formuladas as teses: frequentemente se trata de falsificações descaradas da história. Tomemos como exemplo o título: “As afirmações dos russos e nossas respostas” – essa contraposição está radicalmente errada.

    Pois não são apenas os russos que fazem essas afirmações, mas igualmente a mídia alemã – podemos ver em muitos portais que muitos alemães estão totalmente solidários, por exemplo, com o apoio da Ucrânia aos nazistas. Quando o ministério esconde e ignora a circunstância de os capacetes dos combatentes do batalhão Azov, que combate seus próprios compatriotas, ostentarem a suástica… Fica a sensação que ninguém quer saber disso!

    Resumindo, eu estou abalada com esse documento do governo federal e do Ministério das Relações Exteriores, no qual o papel dos nazistas nos acontecimentos da Ucrânia é apresentado como muito reduzido, e eu considero que dessa forma o governo se coloca em cheque, assumindo na prática que ele pode ser acusado de propaganda do nazismo.

    Tudo isso não facilita, de forma nenhuma, o desenvolvimento e reforço da confiança, tal como mais uma vaga de sanções contra a Rússia, aprovada depois das segundas negociações de Minsk, não favoreceu o restabelecimento da paz.

    – A senhora aderiu à iniciativa do deputado Wolfgang Gerke, do partido Die Linke, que propôs que se convidasse Putin a Berlim para as comemorações da libertação?

    – Penso que essa iniciativa é bastante inteligente porque, ao convidar ao Bundestag um representante do país liberador para o 70º aniversário da Liberação, nós daríamos um passo extremamente importante expressando nossa profunda gratidão ao país que é sucessor do Estado que sofreu o maior número de vítimas e derramou mais sangue na luta contra o nazismo alemão.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    Tags:
    propaganda, Bundestag, Alemanha, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik