07:54 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter (Esq)

    Chefe do Pentágono chega ao Afeganistão em visita oficial

    © AFP 2017/ POOL / Jonathan Ernst
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    0 02

    O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, chegou ao Afeganistão para a primeira visita oficial desde a tomada de posse.

    A agência AP informa que a agenda da visita inclui um encontro com soldados norte-americanos, bem como negociações com as autoridades do Afeganistão.

    Durante as negociações está prevista a avaliação dos riscos da saída das tropas norte-americanas do país.

    O chefe do Pentágono disse ainda aos jornalistas que planeja discutir a retirada das tropas norte-americanas com o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani. Após as negociações, o ministro vai decidir a forma em que as tropas vão permanecer no país e de maneira poderão ajudar a estabelecer a paz e a fortalecer as forças de segurança afegãs.

    Em conformidade com o acordo entre o Afeganistão e os Estados Unidos, após a retirada do corpo principal das tropas americanas, cerca de 10 mil militares vão permanecer no país para ajudar e treinar as forças de segurança locais.

    No início de dezembro do ano passado, o secretário de Defesa americano Chuck Hagel anunciou que os Estados Unidos vão manter 1.000 soldados além do planejado no Afeganistão nos primeiros meses de 2015.

    De acordo com a Reuters, Hagel confirmou oficialmente que o número de soldados norte-americanos no Afeganistão, no início do próximo ano, será reduzido para 10,8 mil homens, em vez dos 9,8 mil previstos anteriormente. Segundo Hagel, no final de 2015, o número de militares poderá ser reduzido para 5,5 mil.

    Em maio de 2014, o presidente dos EUA anunciou sua intenção de retirar todas as tropas norte-americanas do Afeganistão até o final de 2016.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    Tags:
    tropas, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik