17:03 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Situação na região de Donetsk

    Lei marcial na Ucrânia será demasiado cara para economia do país

    © Sputnik/ Nikolai Khizhnyak
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    0 36

    Segundo o especialista Viktor Ukolov, se a Ucrânia introduzir a lei marcial, “será necessário declarar um o recolher obrigatório e militarizar a economia”.

    A declaração da lei marcial na Ucrânia deverá ser apenas uma medida de emergência. Tal opinião foi expressa pelo especialista em assuntos políticos Viktor Ukolov no ar do canal de TV russo Pyaty Kanal.

    "A introdução da lei marcial é uma decisão difícil, uma solução cara para o orçamento e uma decisão organizacional complexa, especialmente quando a lei marcial abrange todo o país. O poder é transferido para as administrações territoriais militares segundo a lei atual, a qual precisa ser mudada, porque foi escrita há quinze anos, quando ninguém imaginava que poderia ser criada uma situação como a atual ", disse Ukolov.

    Segundo ele, no caso de tal decisão, "será necessário declarar um recolher obrigatório e militarizar a economia."

    "Pode haver restrições dos direitos civis, da liberdade de expressão, apreensão de veículos, mesmo a apreensão de empresas para fins militares e mobilizar pessoas para obras públicas. Ou seja, a lei marcial deve ser introduzida somente quando for indispensável", declarou o especialista.

    Anteriormente, o Presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko declarou que não excluía a possibilidade de declarar a lei marcial, caso após as 00h00 (hora local) de 15 de fevereiro a paz não seja estabelecida na Ucrânia.

    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)

    Mais:

    Kiev está pronta a declarar lei marcial se as negociações falharem
    Opinião: Rússia salvou EUA de uma guerra desnecessária
    Opinião: o objetivo dos EUA é fragmentar a Rússia
    Rússia é garantia da resolução da crise na Ucrânia, não o executor
    Tags:
    lei marcial, Pyotr Poroshenko, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik