21:49 20 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Jihad Ahmad Diyab

    Ex-preso de Guantánamo pede a Argentina para acolher outros detentos

    © AP Photo/ /Barricada TV
    Mundo
    URL curta
    0 20751

    Jihad Ahmad Diyab, libanês filho de mãe argentina e pai sírio, deslocou-se à Argentina desde o Uruguai, que o acolheu após a libertação de Guantánamo.

    Na quinta-feira (12), soube-se que um dos ex-presos de Guantánamo que Uruguai tinha aceitado no final de 2014, Jihad Ahmad Diyab, deixou o país para deslocar-se à Argentina, onde pedirá asilo.

    Diyab, de mãe argentina, concedeu uma entrevista à emissora Madre, de Buenos Aires, em que exortou as autoridades da Argentina a acolherem os prisioneiros de Guantánamo.

    "Nunca vou esquecer os companheiros que estão lá, e é por isso é que eu vim aqui para lutar. Por exemplo, o governo argentino pode receber os presos de Guantánamo aqui de forma humanitária", disse.

    Diyab, que permaneceu na prisão estadunidense situada em Cuba por 12 anos, não joga fora a roupa laranja, que levou de Guantánamo. Insiste que é "parte dele": "Antes de sair, disseram-me que mudasse a roupa e me vestisse com um traje marrom. Eu coloquei em cima, porque é simbólico e muito importante para mim".

    Segundo a mídia uruguaia, a sua súbita deslocação é resultado de tensões oriundas de divergências religiosas e políticas entre os seis ex-presos.

    Entrevista presidencial

    Por estar na Argentina, Jihad Ahmad Diyab não teve a oportunidade de conversar com o presidente do Uruguai, José Mujica, que veio visitar os cinco presos que restaram em Montevidéu.

    São o tunisino Abdul Bin Mohamed Abis Ourgy (49), o palestiniano Mohamed Tahanmatan (35) e os sírios Ahmed Adnan Ahjam (37), Ali Hussain Shaabaan (32) e Omar Mahmoud Faraj (39). Todos eles vieram ao Uruguai junto com Diyab em dezembro de 2014.

    O mandatário uruguaio recomendou aos ex-detentos que "sigam para diante", afirmando que "sabia do que falava". Destacou também a importância de aprenderem o espanhol para poderem estabelecer laços no país — ou na região — e a trabalharem.    

    Tags:
    Guantánamo, Uruguai, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik