04:52 25 Março 2017
Ouvir Rádio
    Kristina Kirchner, presidente da Argentina

    Cristina Kirchner: Argentina não admitirá interferência nos seus assuntos internos

    © AFP 2017/ ALEJANDRO PAGNI
    Mundo
    URL curta
    0 57680

    Presidente Cristina Kirchner reagiu à proposta de Washington de ajudar na investigação da morte do promotor Alberto Nisman.

    Argentina não admitirá pressão por parte de outros países, nem a interferência nos seus assuntos internos, declarou a presidente Cristina Kirchner, ao comentar a situação política argentina que se formou após a morte do promotor Alberto Nisman.

    Nisman havia denunciado Kirchner e outros funcionários de alto nível do governo de ter atrapalhado as investigações do atentado à Associação Mutual Israelita Argentina, ocorrido em Buenos Aires em 1994. O promotor afirmava que o governo possibilitou que os suspeitos pelo atentado escapassem da justiça em troca de um acordo comercial com o Irã. 

    Até o presente momento, as circunstâncias da morte do promotor não foram esclarecidas. Não está claro se Nisman foi assassinado ou se cometeu suicídio. 

    Em janeiro, a imprensa argentina divulgou que Washington havia oferecido ajuda técnica na investigação da morte do promotor. O governo argentino, entretanto, informou não ter recebido proposta formal. Na mesma ocasião, alguns congressistas americanos manifestaram sua preocupação com caso e a imprensa alardeou a vinda de uma delegação norte-americana ao país. 

    Ao discursar no palácio presidencial para seus partidários, que entoavam “Pátria sim, colônia não”, Kirchner anunciou que este slogan um tanto fora de moda voltou a ser pertinente. “Estão querendo nos dar ordens do exterior. Mas a nossa política atual não tem mais lugar para aqueles que querem nos ditar instruções”, disse ela.

    A morte de Alberto Nisman causou comoção na Argentina e acirrou as críticas contra o atual governo. As investigações prosseguem.

    Tags:
    Alberto Nisman, Cristina Fernández de Kirchner, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik