03:01 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Obama e Joe Biden

    Obama pede ao Congresso o uso de força militar contra EI

    © AP Photo/ Jacquelyn Martin
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    0 17

    Segundo o presidente americano, a proposta enviada aos legisladores daria ao presidente atual e seu sucessor a flexibilidade necessária para travar uma batalha propensa a levar "algum tempo".

    O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta quarta-feira que o Congresso autorize formalmente o uso de força militar contra os militantes do grupo Estado Islâmico, ao declarar que combatentes estão na defensiva e "vão perder". Mas Obama prometeu não repetir as grandes e custosas guerras terrestres observadas no Iraque e no Afeganistão, segundo informou Associated Press.

    Obama disse que uma grande mobilização de tropas norte-americanas não será necessária para lutar contra o Estado Islâmico. Ele argumentou que a proposta de três páginas que foi enviada aos legisladores daria ao presidente atual e seu sucessor a flexibilidade necessária para travar uma batalha propensa a levar "algum tempo".

    "Estou convencido de que os Estados Unidos não devem ser arrastados de volta para uma outra guerra terrestre prolongada no Oriente Médio", disse o presidente, ao lado do vice-presidente e dos secretários de Estado e da Defesa, na Casa Branca. "Eu não acredito que os interesses da América são servidos por uma guerra sem fim ou por permanecer em pé de guerra perpétua".

    Segundo a proposta de Obama, o uso da força militar seria autorizado por três anos e ilimitado por fronteiras nacionais. O combate poderia ser estendido contra qualquer "entidade sucessora intimamente relacionada" à organização Estado Islâmico.

    "Não se enganem. Esta é uma missão difícil", disse Obama, acrescentando que vai levar tempo para retirar os terroristas, especialmente, de áreas urbanas. "Mas nossa coalizão está na ofensiva. O Estado Islâmico está na defensiva e vai perder".

    A autorização do Congresso de 2008 que precedeu a invasão liderada pelos EUA no Iraque seria revogada sob a proposta da Casa Branca, um passo que alguns republicanos não gostaram de ver. Mas uma autorização em separado, que foi aprovada pelo Congresso após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, permaneceria em vigor, para o desagrado de alguns democratas.

    Ao mesmo tempo em que pediu que os congressistas rejeitassem operações de combate terrestre de grande escala e de longo prazo como as do Afeganistão e do Iraque, Obama disse que quer flexibilidade para operações de combate terrestre "em outras circunstâncias mais limitados". Isso inclui missões de resgate, coleta de informações e o uso de forças de operações especiais em uma possível ação militar contra os líderes do Estado Islâmicos. "Não é a autorização de uma outra guerra terrestre", disse Obama.

    fonte: Estadão Conteudo

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    Tags:
    Congresso dos EUA, Estado Islâmico, Barack Obama, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik