06:15 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1302
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as principais notícias desta terça-feira (13), na qual chanceler russo classifica sanções da UE ao Irã como "mais graves do que um crime", Japão anuncia despejo de água contaminada pelo acidente de Fukushima no oceano e Índia acelera importações da vacina russa Sputnik V contra COVID-19.

    Queiroga pede 'harmonia' conforme Brasil segue batendo recordes pela COVID-19

    Na segunda-feira (12), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pediu harmonia aos brasileiros no combate à pandemia. " Vamos procurar harmonizar a população brasileira com o objetivo de unir as pessoas entorno do fim desta pandemia", disse o ministro em entrevista à TV Brasil. Queiroga disse que todos os brasileiros que tomaram a primeira dose das vacinas contra a COVID-19 terão acesso garantido à segunda. Ele ainda lamentou que cerca de 500 mil pessoas não voltaram aos postos de saúde para receber a segunda dose. O Brasil registrou a maior média móvel de mortes por COVID-19 da história, com 3.125 óbitos diários. Na segunda-feira (12), o país registrou mais 1.738 mortes e 38.866 casos de COVID-19, totalizando 355.031 óbitos e 13.521.409 de diagnósticos da doença, informou consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Agentes funerários usam roupa protetora durante enterro de vítima da COVID-19, no cemitério de Vila Formosa, São Paulo, 7 de abril de 2021
    © AP Photo / Andre Penner
    Agentes funerários usam roupa protetora durante enterro de vítima da COVID-19, no cemitério de Vila Formosa, São Paulo, 7 de abril de 2021

    Rosa Weber suspende trechos do decreto de armas de Bolsonaro

    Nesta segunda-feira (12), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, suspendeu trechos de decretos publicados pelo presidente Jair Bolsonaro sobre o porte de armas no país. A decisão atende a ações impostas na corte por cinco partidos: PSB, PSDB, PSOL, PT e Rede e Sustentabilidade. Dentre os trechos suspensos pela ministra estão a permissão para a compra de até seis armas de fogo por cidadão, a dispensa de registro prévio para prática de tiro esportivo e a extensão da validade do porte de armas para todo o território nacional. "Inúmeros estudos [...] revelam uma inequívoca correlação entre a facilitação do acesso da população às armas de fogo e o desvio desses produtos para as organizações criminosas, milícias e criminosos em geral", destacou a ministra. A suspensão das normas fica em vigor até decisão final do plenário do tribunal, previsto para esta sexta-feira (16).

    Loja de armas de fogo recebe clientes em Brasília, 4 de março de 2021
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Loja de armas de fogo recebe clientes em Brasília, 4 de março de 2021

    Terapias de anticorpos são ineficazes contra variante brasileira do novo coronavírus, diz estudo

    Estudos laboratoriais demonstram que a maioria das terapias de anticorpos contra a COVID-19 aprovadas para uso emergencial nos EUA são ineficazes no combate à variante brasileira do novo coronavírus P.1, reportou a Reuters. Pesquisadores expuseram a variante P.1 a diversos anticorpos monoclonais, mas somente um foi capaz de reagir, informaram os pesquisadores. A boa notícia é que estudo publicado pela revista científica The Lancet na segunda-feira (12) aponta que a variante do Reino Unido não é tão perigosa quanto antecipado. A variante B.1.1.7, que se tornou a dominante em países como os EUA, não agrava o quadro de saúde de pacientes hospitalizados, divulgaram os pesquisadores.

    Londrinos se reúnem em bar a céu aberto, conforme restrições rígidas contra a COVID-19 começam a ser retiradas, Londres, Reino Unido, 12 de abril de 2021
    © REUTERS / Dylan Martinez
    Londrinos se reúnem em bar a céu aberto, conforme restrições rígidas contra a COVID-19 começam a ser retiradas, Londres, Reino Unido, 12 de abril de 2021

    Japão anuncia despejo no oceano de água contaminada em Fukushima

    Nesta terça-feira (13), o Japão anunciou que vai despejar mais de uma tonelada de água contaminada pelo acidente nuclear da usina de Fukushima no oceano. Segundo as autoridades, o primeiro despejo de água será realizado daqui a dois anos, após tratamento preliminar. O país aponta que o despejo é necessário para que a usina nuclear seja fechada com segurança, após ter sido danificada por terremoto e tsunami em 2011. Os vizinhos asiáticos reagiram mal à notícia. A Coreia do Sul expressou "sérias preocupações" com os "impactos diretos e indiretos na segurança das pessoas e do meio ambiente", anunciando que vai monitorar os níveis de radiação na região. A China, por sua vez, classificou a decisão como "extremamente irresponsável" por gerar "sérios danos à saúde pública internacional".

    Vista aérea da usina nuclear danificada de Fukushima, na cidade de Okuma, Japão, 13 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Kyodo
    Vista aérea da usina nuclear danificada de Fukushima, na cidade de Okuma, Japão, 13 de fevereiro de 2021

    Sanções da União Europeia ao Irã são 'erro mais grave do que um crime'

    Nesta terça-feira (13), o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, condenou a imposição de novas sanções econômicas contra servidores iranianos, em meio às negociações para a retomada do acordo nuclear iraniano. "Não há coordenação na União Europeia. A mão direita não sabe o que a esquerda está fazendo, é um desastre", disse Lavrov, que se disse "surpreso" com a decisão europeia. "Se a decisão foi tomada deliberadamente durante as negociações para salvar o Plano de Ação Conjunto Global [acordo nuclear iraniano], que seguem seu curso em Viena, isso não é só um desastre, mas um erro mais grave do que um crime", disse o chanceler russo. Lavrov encontra-se em visita oficial a Teerã, onde se reuniu com seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif.

    Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, (à esquerda) e seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif, durante encontro em Teerã, 13 de abril de 2021
    © Sputnik / Ministério das Relações Exteriores da Rússia
    Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, (à esquerda) e seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif, durante encontro em Teerã, 13 de abril de 2021

    Índia aprova uso da vacina russa Sputnik V contra COVID-19

    Na segunda-feira (12), a Índia se tornou o 60º país a aprovar o uso da vacina russa contra a COVID-19, Sputnik V. A farmacêutica Reddy Laboratories, que selou contrato com o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), ainda em setembro de 2020, obteve autorização para importar o imunizante russo para uso emergencial. A Índia enfrenta segunda onda de contaminações por COVID-19 mais grave do que a primeira. A Índia ultrapassou o Brasil e é o segundo país com maior número de casos de COVID-19 registrados, ao confirmar 168 mil casos em somente 24 horas, totalizando 13,52 milhões de infectados. Em número de mortes, no entanto, o Brasil segue na frente do país asiático, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Mais:

    Brasil 'ignorado' por comitiva de Biden: especialista vê sinal negativo e recado ao governo
    'Governo Bolsonaro é o melhor que a China poderia imaginar', diz especialista
    Desdolarização deve ser objetivo de qualquer país que queira ter 'direito à voz', diz economista
    Tags:
    Rússia, União Europeia, Irã, sanções, Coreia do Sul, Japão, China, Fukushima, STF, armas de fogo, vacinação, pandemia, COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar