20:16 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 301
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha os destaques desta quinta-feira (25), marcada pelas mais de 300 mil mortes por COVID-19 no Brasil, pelos "sinal amarelo" do presidente da Câmara ao governo e planos de Trump para voltar às redes sociais.

    Brasil tem 300 mil mortes por COVID-19

    O Brasil atingiu a lamentável marca de 300 mil mortes pela COVID-19, mesmo após burocratização do processo de registro de óbitos pelo Ministério da Saúde ter causado atrasos e subnotificação pelas Secretarias Estaduais de Saúde. Criticado, o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que revogará as mudanças: "Não sou maquiador, sou médico". O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que estava "apertando o sinal amarelo" para o governo em função de "erros primários, desnecessários e inúteis" no combate à pandemia. Sem citar diretamente a possibilidade de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, Lira disse que "muitas vezes [remédios políticos] são aplicados quando a espiral de erros de avaliação se torna uma escala geométrica incontrolável". O Brasil registrou mais 2.244 mortes e 90.504 casos de COVID-19, totalizando 301.087 óbitos e 12.227.179 diagnósticos da doença.

    Cristo Redentor é fotografado no dia em que o Brasil ultrapassa as 300 mil mortes pela COVID-19, Rio de Janeiro, 24 de março de 2021
    © REUTERS / Pilar Olivares
    Cristo Redentor é fotografado no dia em que o Brasil ultrapassa as 300 mil mortes pela COVID-19, Rio de Janeiro, 24 de março de 2021

    Senadores pedem para Ernesto Araújo deixar o Itamaraty em sessão no Congresso

    Nesta quarta-feira (24), senadores fizeram declarações duras e solicitaram ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que renuncie à chefia do Itamaraty. O ministro participou de sessão no Congresso sobre a atuação da chancelaria para a compra de vacinas contra a COVID-19. A senadora Simone Tebet (MDB-MS), disse que Araújo "é unanimidade no Senado de rejeição e incompetência". "Pede para sair ministro. Chega. O senhor está fazendo o Brasil perder tempo", disse a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP). O ministro, por sua vez, disse dormir com a "consciência tranquila" e ressaltou suas boas relações com a China, EUA e Reino Unido. "Nenhuma questão política está impedindo importação de vacinas e insumos", disse Araújo, negando que o Brasil sofresse "discriminação" ou "preconceito" na arena internacional.

    Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, durante reunião com líderes no Congresso Nacional, Brasília, 24 de março de 2021
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, durante reunião com líderes no Congresso Nacional, Brasília, 24 de março de 2021

    Trump planeja inaugurar sua própria rede social, diz mídia

    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, planeja inaugurar sua própria rede social em parceria com a plataforma FreeSpace, reportou a Axios, citando fontes próximas ao ex-presidente. Os planos foram traçados após Trump ser bloqueado das principais redes sociais, como Facebook, Instagram, Twitter e YouTube, em função da invasão do Congresso dos EUA por seus apoiadores em 6 de janeiro de 2021. O conselheiro digital de Trump, Dan Scavino, estaria considerando a plataforma FreeSpace como uma das diversas potenciais parceiras no projeto. Especialistas ouvidos pela Sputnik disseram que uma rede social de Trump teria sucesso instantâneo, mas que seria difícil manter a popularidade a médio prazo. Neste domingo (14), porta-voz de Trump anunciou que o ex-presidente voltaria às redes sociais em breve para "redefinir o jogo completamente".

    Ex-presidente dos EUA acena para apoiadores em Nova York, EUA, 9 de março de 2021
    © REUTERS / Carlo Allegri
    Ex-presidente dos EUA acena para apoiadores em Nova York, EUA, 9 de março de 2021

    Taiwan inicia produção industrial de mísseis de longo alcance

    Nesta quinta-feira (25), Taiwan anunciou início da produção em escala industrial de mísseis de longo alcance e o desenvolvimento de três novos modelos, disse o ministro da Defesa da ilha, Chiu Kuo-cheng. De acordo com o ministro, a prioridade de Taiwan é desenvolver mísseis ofensivos. "Esperamos que sejam [mísseis] de longo alcance, com alta precisão e mobilidade." O diretor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Chung-Shan, Leng Chin-hsu, confirmou que a ilha desenvolve mais três classes de mísseis de longo alcance. Os EUA, principais fornecedores estrangeiros de armas de Taipé, trabalham para fortalecer o potencial militar da ilha para conter a China, em projeto conhecido no Pentágono como "Fortaleza Taiwan", reportou a Reuters. Por não ser membro das Nações Unidas, Taiwan não participa dos principais tratados de não proliferação de armas nucleares e de tecnologia de mísseis.

    Ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, chega no parlamento do país para sessão, em Taipé, 25 de março de 2021
    © REUTERS / Ann Wang
    Ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, chega no parlamento do país para sessão, em Taipé, 25 de março de 2021

    Chanceler chinês agradece à Arábia Saudita apoio sobre Xinjiang e Hong Kong

    Nesta quinta-feira (25), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, expressou satisfação com o apoio saudita a Pequim em temas priorizados pelos EUA na agenda internacional, como Hong Kong, Taiwan e a região de Xinjiang. "Wang Yi notou que a parte chinesa apoia os esforços sauditas para proteger a sua soberania, segurança e estabilidade, assim como o modelo de desenvolvimento que os sauditas consideram apropriado para seu país", declarou a chancelaria chinesa em nota. Em reunião com seu homólogo saudita, Faisal bin Farhan Al Saud, em Riad, o ministro chinês disse que países ocidentais impuseram sanções contra a China "baseando-se em mentiras" sobre a situação humanitária na região de Xinjiang.

    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (à esquerda), se reúne com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, em Riad, Arábia Saudita, 24 de março de 2021
    © AFP 2021 / Bandar Al-Jaloud
    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (à esquerda), se reúne com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, em Riad, Arábia Saudita, 24 de março de 2021

    Lançamento de mísseis norte-coreanos é resposta à ameaça dos EUA, diz parlamentar russo

    Os recentes lançamentos de mísseis norte-coreanos são uma resposta de Pyongyang à crescente ameaça dos EUA, disse o parlamentar russo, Vladimir Dzhabarov, à Sputnik. "A Coreia do Norte sente uma ameaça crescente vinda dos EUA. Parece que os EUA estão provocando-os deliberadamente com planos de conduzir exercícios militares de larga escala perto da costa norte-coreana", disse Dzhabarov. "Os lançamentos são uma resposta à essa política agressiva." Para ele, Moscou deve se preocupar com os lançamentos, por serem realizados próximos da fronteira russa, com mísseis de "nível técnico e precisão não muito altos". Nesta quarta-feira (24), autoridades japonesas informaram que a Coreia do Norte lançou dois mísseis balísticos ao mar e expressou forte oposição à medida.

    Mais:

    Sinal vermelho? Suspensão da produção de montadoras no Brasil liga alerta no mercado
    Pequim avisa Aliança Cinco Olhos que uma China 'irritada' poderia ser 'difícil de lidar'
    Enorme navio porta-contêineres fica preso no canal de Suez, bloqueando tráfego (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    Brasil, COVID-19, vacinação, pandemia, Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro, Arthur Lira, Donald Trump, China, Arábia Saudita, Taiwan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar