14:09 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1340
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as principais notícias desta sexta-feira (19), marcada pelo apoio da maioria dos brasileiros a medidas restritivas contra a COVID-19, pelo embate entre Putin e Biden e primeira reunião complicada entre China e EUA no Alasca.

    Prefeitura de São Paulo abrirá novos leitos em 'hospitais da catástrofe'

    A prefeitura de São Paulo anunciou a abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nos "hospitais de catástrofe" da cidade, mobilizados exclusivamente para o combate à COVID-19. Cerca de 475 pessoas estão na fila por leitos de UTI na capital paulista. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), decidiu fechar as praias e áreas de lazer da cidade a partir deste sábado (20). Pesquisa Datafolha divulgada pela Folha de São Paulo aponta que 71% dos brasileiros aprovam medidas de restrições ao comércio e serviços para combater a COVID-19 e somente 28% são contra. A pesquisa ainda mostra que 66% são a favor do fechamento das escolas, contra 32% que se posicionam pela reabertura. O Brasil registrou mais 2.659 mortes e 87.169 casos de COVID-19, totalizando 287.795 óbitos e 11.787.600 diagnósticos da doença, informou consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Jovens reagem à morte de parente, vítima da COVID-19, no cemitério de Vila Formosa, São Paulo, 17 de março de 2021
    © REUTERS / Carla Carniel
    Jovens reagem à morte de parente, vítima da COVID-19, no cemitério de Vila Formosa, São Paulo, 17 de março de 2021

    Governo envia MP sobre auxílio emergencial para o Congresso

    Nesta quinta-feira (18), o governo federal enviou medidas provisórias para a restauração do auxílio emergencial ao Congresso Nacional. De acordo com a proposta, os repasses terão valor entre R$ 150 e R$ 375, conforme o perfil do beneficiário. Famílias monoparentais chefiadas por mulheres receberão R$ 375, enquanto pessoas que moram sozinhas receberão R$ 150. O auxílio será pago em quatro parcelas a partir do mês de abril. De acordo com o governo, cerca de 45,6 milhões de famílias serão beneficiadas. Administrações regionais lançam seus próprios programas de auxílio, por considerar o programa federal insuficiente. A prefeitura de São Paulo, por exemplo, anunciou o investimento de R$ 500 milhões para realizar repasses entre março e maio.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, é escoltado durante saída do Palácio da Alvorada, Brasília, 18 de março de 2021
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, é escoltado durante saída do Palácio da Alvorada, Brasília, 18 de março de 2021

    Biden se esquiva de pergunta sobre convite de Putin

    O presidente dos EUA, Joe Biden, se recusou a responder pergunta sobre o convite para um debate feito pelo presidente russo, Vladimir Putin, nesta quinta-feira (18). Após discursar sobre o coronavírus na Casa Branca, uma jornalista perguntou ao líder norte-americano sobre como responderá à proposta de Putin. Biden não respondeu e se retirou do pódio, acompanhado pela vice-presidente, Kamala Harris. A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Jen Psaki, disse que os mandatários já conversaram em janeiro e que uma reunião futura não está prevista na agenda de Biden, que estaria "muito ocupado". Anteriormente, Putin comentou declaração forte de Biden, desejando-lhe saúde e lembrando que "cada um chama o outro daquilo que ele mesmo é".

    China e EUA se engajam em embate público em 1ª reunião de alto nível

    As primeiras negociações de alto nível entre EUA e China desde a posse da administração Biden tiveram início tumultuado nesta quinta-feira (18). Após fala inaugural longa do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, considerada uma quebra de protocolo pelos chineses, o diplomata chinês Yang Jiechi discursou por 15 minutos, enquanto a delegação norte-americana aguardava tradução simultânea. "Os EUA usam sua força militar e hegemonia financeira para imporem suas leis de forma extraterritorial e reprimirem outros países", disse Yang. "Eles abusam das supostas noções de segurança nacional para obstruir trocas comerciais rotineiras e incitar outros países a atacarem a China". Apesar do início conturbado, as partes se reuniram para sessões "substantivas, sérias e diretas", revelou funcionário norte-americano à Reuters. Na manhã desta sexta-feira (19), os representantes das duas maiores economias do mundo devem voltar a reunir-se em Anchorage, no estado norte-americano do Alasca.

    Delegação chinesa liderada por Yang Jiechi (centro) e Wang Yi (segundo à esquerda) durante reunião com homólogos norte-americanos em Anchorage, Alasca, 18 de março de 2021
    © REUTERS / Frederic J. Brown
    Delegação chinesa liderada por Yang Jiechi (centro) e Wang Yi (segundo à esquerda) durante reunião com homólogos norte-americanos em Anchorage, Alasca, 18 de março de 2021

    EUA consideram estender prazo para retirada de tropas do Afeganistão, diz mídia

    A administração Biden estuda prorrogar o prazo para retirada de tropas do Afeganistão em seis meses, reportou a CNN citando fonte no Ministério da Defesa norte-americano. A decisão final ainda não teria sido tomada, uma vez que os EUA preferem negociar a extensão do prazo com o grupo Talibã (grupo terrorista proibido na Rússia e em diversos países). Em fevereiro de 2020, acordo entre EUA e Talibã estipulou a retirada das tropas dos EUA do país para o dia 1º de maio. Em recente entrevista ao canal ABC News, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que se manteria "firme" no cumprimento do acordo. O Ministério da Defesa do país, no entanto, expressa preocupação quanto ao prazo, argumentando que os níveis de violência entre o Talibã e o governo afegão ainda seriam muito elevados.

    Delegação do governo afegão e do grupo Talibã debatem durante conferência de paz em Moscou, Rússia, 18 de março de 2021
    © REUTERS / Aleksandr Zemlianichenko
    Delegação do governo afegão e do grupo Talibã debatem durante conferência de paz em Moscou, Rússia, 18 de março de 2021

    Coreia do Norte corta laços com a Malásia por extradição de nacional para os EUA

    Nesta sexta-feira (19), a Coreia do Norte rompeu relações diplomáticas com a Malásia, após o país extraditar cidadão norte-coreano para os EUA, informou a AFP. O ministério das Relações Exteriores de Pyongyang disse que a extradição de seu nacional aos EUA foi um "crime imperdoável" cometido por um país que "obedece cegamente" aos desejos de Washington. O norte-coreano Mun Chol Myong, de 50 anos, foi extraditado para os EUA acusado de lavagem de dinheiro. O ministério norte-coreano disse que as atividades comerciais dele eram "legítimas" e anunciou o "total rompimento de relações diplomáticas com a Malásia". A Coreia do Norte mantém embaixadas em somente 25 países, incluindo Brasil, Alemanha, Cuba, Irã e China.

    Mais:

    Carta de Biden: efeito Lula pressiona, mas mudança de Bolsonaro não é 'factível', diz especialista
    'Faca na garganta': portal chinês avalia chances de OTAN tomar região russa de Kaliningrado
    Troika estendida apela ao governo afegão para cumprir acordo com Talibã e evitar violência
    Tags:
    Malásia, Coreia do Norte, Afeganistão, Antony Blinken, Alasca, China, Vladimir Putin, Joe Biden, pandemia, COVID-19, auxílio financeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar