17:11 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1142
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha os destaques desta segunda-feira (4), marcada pela proibição da exportação de seringas do Brasil, pela decisão brasileira de comprar vacina da Índia, pela quarentena em SP, pela liberação do auxílio emergencial, e pela insistência de Trump nas eleições norte-americanas.

    Brasil proíbe exportação de seringas e agulhas

    Após o Ministério da Saúde do Brasil fracassar em sua última tentativa de compra de seringas e agulhas, o governo brasileiro decidiu proibir a exportação desses produtos. A decisão veio à tona no domingo (3) pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia. As empresas brasileiras têm justificado a impossibilidade de fornecer o material ao Brasil por já estarem comprometidas com o mercado internacional. Em perfil nas redes sociais, o Ministério da Saúde chamou de "fake news" notícias sobre o desempenho do governo na busca por seringas. Em meados de abril do ano passado, entrou em vigor a lei 13.993, que proibiu a exportação de ventiladores pulmonares mecânicos e circuitos, camas hospitalares, e equipamentos de proteção individual, como luva látex, luva nitrílica, avental impermeável, óculos de proteção, gorro, máscara cirúrgica e protetor facial.

    O governo federal restringiu a exportação de seringas e agulhas após a tentativa fracassada de compra destes produtos feita pelo Ministério da Saúde
    © Folhapress / Leandro Ferreira
    O governo federal restringiu a exportação de seringas e agulhas após a tentativa fracassada de compra destes produtos feita pelo Ministério da Saúde

    Fiocruz vai comprar vacina da Oxford fabricada na Índia

    A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou no domingo (3) que comprará vacinas do Instituto Serum, da Índia, para garantir a vacinação no Brasil. Serão adquiridas doses do imunizante com a tecnologia produzida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A fundação reafirmou que a previsão para o pedido de registro da vacina é 15 de janeiro. No sábado (2), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia aprovado a importação de dois milhões de doses da vacina a pedido da Fiocruz. A previsão é de que o primeiro lote com um milhão de doses seja entregue entre 8 e 12 de fevereiro. A vacina de Oxford, desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, tem eficácia que varia entre 62% e 90% a depender da dosagem aplicada, segundo estudo publicado no início de dezembro na revista científica Lancet.

    Uma dose da vacina da Oxford e AstraZeneca da COVID-19
    © REUTERS / POOL
    Uma dose da vacina da Oxford e AstraZeneca da COVID-19

    São Paulo de volta à fase amarela da quarentena

    Nesta segunda-feira (4), São Paulo voltou à fase amarela da quarentena imposta pela pandemia de COVID-19, permitindo que o comércio funcione em horário ampliado. Durante as festividades de Ano Novo, o estado passou pela emergencial fase vermelha. No final de ano, diversas festas e multidões sem máscara foram flagradas, ignorando a pandemia de COVID-19 que assola o país e o mundo. O Brasil registrou 287 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 196.029 mortes desde o início da pandemia, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

    Vista aérea do Largo da Batata, na cidade de São Paulo, SP, neste domingo, 03 de janeiro
    © Folhapress / Ronaldo Silva
    Vista aérea do Largo da Batata, na cidade de São Paulo, SP, neste domingo, 03 de janeiro

    Caixa Econômica Federal libera saques e transferência de auxílio emergencial

    Nesta segunda-feira (4), a Caixa Econômica Federal (CEF) libera os saques e transferências do auxílio emergencial para quase quatro milhões de pessoas que não fazem parte do Bolsa Família. O pagamento será liberado para quem nasceu em março. Serão pagas parcelas de R$ 600, ou R$ 300, no caso do auxílio extensão, a quem faz parte dos ciclos cinco e seis. Esta é a última fase do pacote de medidas de transferência de renda do governo federal para ajudar na superação da crise econômica causada pela COVID-19. Ao todo, 34,3 milhões de pessoas serão beneficiadas.

    Fila para saque do auxílio emergencial na agência da Caixa Econômica Federal em Santo André (ABC)
    © Folhapress / Renato Fontes
    Fila para saque do auxílio emergencial na agência da Caixa Econômica Federal em Santo André (ABC)

    Trump teria pedido para 'encontrar' quase 12 mil votos na Geórgia

    O presidente Donald Trump teria pedido ao colega republicano Brad Raffensperger, secretário de Estado da Geórgia, para que "encontrasse" votos suficientes para reverter sua derrota no estado. A conversa supostamente aconteceu no sábado (2), e a ligação foi gravada, de acordo com a mídia. No domingo (3), uma reportagem do jornal The Washington Post revelou que o presidente Donald Trump teria ligado pessoalmente para pressionar as autoridades da Geórgia para que manipulassem a apuração no estado. De acordo com as informações, há uma gravação da conversa em que o presidente dos EUA repreendeu Brad Raffensperger, pedindo ação e fazendo ameaças com consequências criminais se o secretário se recusasse a prosseguir com o que chamou de "falsas alegações". O presidente disse, em determinado momento da conversa que Raffensperger estava assumindo "um grande risco". Durante a ligação, Raffensperger e o conselheiro-geral de seu escritório rejeitaram as afirmações de Trump, explicando que o presidente está contando com teorias da conspiração, e que a vitória do presidente eleito Joe Biden com 11.779 votos na Geórgia foi justa e precisa.

    Presidente dos EUA, Donald Trump pressiona por votos na Geórgia
    © AFP 2020 / Andrew Caballero Reynolds
    Presidente dos EUA, Donald Trump pressiona por votos na Geórgia

    Maduro solicita descongelamento de ativos para comprar vacinas

    Nações da UE e os EUA teriam recusado o pedido venezuelano para descongelar ativos para compra de vacinas contra COVID-19. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ressaltou que seu pedido de descongelamento dos ativos venezuelanos congelados foi negado pelos governos de Portugal, Espanha, Reino Unido e EUA. Como parte das tentativas de derrubar Maduro, os EUA e outros países ocidentais congelaram seus ativos no exterior. A Venezuela está sendo atingida por sanções, impostas principalmente pelos EUA.

    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro
    © AFP 2020 / Jhonander Gamarra
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

    Mais:

    Centenas de israelenses pegam COVID-19 após receberem vacina da Pfizer/BioNTech, diz mídia
    EUA ultrapassam a marca de 20 milhões de casos de COVID-19
    Chanceler da China expressa confiança na vitória sobre a COVID-19
    Tags:
    Nicolás Maduro, Venezuela, EUA, Brasil, pandemia, auxílio financeiro, auxílio, Donald Trump, novo coronavírus, COVID-19, vacinação, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar