22:55 20 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    3120
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais relevantes desta quinta-feira (10), marcada pela mudança no ministério brasileiro do Turismo, pelo novo bloco na Câmara dos Deputados, pela ratificação da Convenção Interamericana contra o Racismo, pelo avanço da COVID-19 e pelo inquérito federal contra o filho de Joe Biden.

    Mudanças no ministério brasileiro

    Após a demissão do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, nesta quarta-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o atual presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), Gilson Machado, será o novo ministro do Turismo. O anterior ministro havia chamado de "traíra" Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, em um aplicativo de mensagens. Além disso, ele também acusou o colega de ter pedido sua demissão para negociar o cargo com deputados do centrão, que apoia o governo na Câmara.

    Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de lançamento da Retomada do Turismo, realizada no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF), nesta terça-feira (10)
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de lançamento da Retomada do Turismo, realizada no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF), nesta terça-feira (10)

    Formação de novo bloco na Câmara dos Deputados

    Seis partidos se uniram em bloco a Rodrigo Maia para disputar a Câmara em 2021. O grupo é formado por DEM, PSL, MDB, PSDB, Cidadania e PV, reunindo 163 deputados, e deve anunciar o candidato até o próximo sábado (12). Os seis partidos formalizaram na quarta-feira (9) a formação de um novo bloco na Câmara dos Deputados a partir de 2021. A eleição interna ocorre no dia 1º de fevereiro de 2021. Os pré-candidatos do grupo são Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Elmar Nascimento (DEM-BA), Baleia Rossi (MDB-SP), Marcos Pereira (Republicanos-SP) e Luciano Bivar (PSL-PE).

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante entrevista coletiva ao chegar na Câmara, nesta segunda-feira (7)
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante entrevista coletiva ao chegar na Câmara, nesta segunda-feira (7)

    Câmara ratifica Convenção Interamericana contra o Racismo

    Na quarta-feira (9), a Câmara dos Deputados aprovou a adesão brasileira à Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância. A convenção oferece status constitucional a políticas públicas de prevenção e punição de condutas racistas, ações afirmativas de igualdade de oportunidade na educação e no trabalho, bem como diversidade no sistema político. Após a aprovação, o texto será enviado ao Senado e, caso seja aprovado pelos senadores, a redação passará a integrar a Constituição, na forma de emenda.

     Dandara dos Palmares, realizou um Ato Presencial de encerramento do mês da Consciência Negra em Salvador - Bahia
    © Folhapress / Cleber Sandes
    Dandara dos Palmares, realizou um Ato Presencial de encerramento do mês da Consciência Negra

    COVID-19 segue avançando no Brasil

    O Brasil registrou nova alta de mortes em 21 estados e no Distrito Federal. Na quarta-feira (9), o país somou 848 novas mortes por COVID-19, chegando a um total de 179.032 óbitos. Conforme os dados do consórcio de veículos de imprensa, com informações das secretarias estaduais de Saúde, esse é o maior número de óbitos diários desde 12 de novembro. A média móvel de mortes diárias chegou a 652, um aumento de 34% em relação às duas últimas semanas. Com isso, a tendência de mortes é de alta. Além disso, foram registrados 54.203 casos de COVID-19, sendo que o total de casos chegou a 6.730.118. Com isso, a média móvel diária de registros de casos foi de 41.926, um aumento de 33% em relação aos últimos 14 dias. A tendência de casos também é de alta no Brasil.

     Imagem criativa usando fundo azul com frasco de vacina ao lado de insumos, em alusão à vacina contra o novo coronavírus (Covid-19)
    © Folhapress / Adriana Toffeti / A7 Press
    Imagem criativa usando fundo azul com frasco de vacina ao lado de insumos, em alusão à vacina contra o novo coronavírus (Covid-19)

    EUA batem novo recorde de mortes diárias por COVID-19

    Conforme dados publicados pelo jornal The New York Times, os EUA tiveram mais de 3.000 mortes causadas pelo novo coronavírus em apenas um dia, superando o recorde anterior – 2.885 mortes. O descontrole da pandemia na maior economia do mundo foi um dos principais temas das eleições presidenciais norte-americanas, com o atual presidente dos EUA, Donald Trump, sendo acusado de má gestão da crise sanitária. Segundo os principais meios de comunicação dos EUA, Trump foi derrotado pelo candidato democrata Joe Biden, que promete concentrar esforços para o controle da pandemia a partir do início de sua gestão. Atualmente, os EUA vivem a expectativa da aprovação de uma vacina contra a COVID-19, com destaque para o imunizante desenvolvido pela Pfizer em parceria com a BioNTech.

    Dr. Lawrence Benjamin protesta por melhor teste de COVID-19 e políticas de segurança para evitar a doença na Califórnia
    © AFP 2021 / Patrick T. Fallon
    Dr. Lawrence Benjamin protesta por melhor teste de COVID-19 e políticas de segurança para evitar a doença na Califórnia

    Filho de Joe Biden está sob investigação federal

    Hunter Biden, filho de Joe Biden, o candidato mais votado nas presidenciais dos EUA, afirmou que há um inquérito federal no estado de Delaware sobre sua situação fiscal, designadamente relacionada com negócios na China. Contudo, tanto ele quanto a equipe chefiada por Joe Biden negam qualquer irregularidade. Hunter Biden possui uma história de negócios internacionais em diversos países. Durante a campanha eleitoral para a Casa Branca, o candidato derrotado, Donald Trump, qualificou a família Biden como "uma empresa criminosa", apontando os negócios de Hunter Biden na Ucrânia e na China. O filho de Joe Biden tem 50 anos de idade, e já teve de enfrentar problemas com álcool e drogas no passado.

    Joe Biden, à direita, abraça seu filho Hunter Biden, à esquerda
    © AP Photo / Andrew Harnik
    Joe Biden, à direita, abraça seu filho Hunter Biden, à esquerda

    Mais:

    Ministro da Saúde diz que vacinação poderá começar em dezembro ou janeiro no Brasil
    Cientista político: corrupção no Brasil não acabou, presidente que virou vidraça
    Economista avalia os impactos da alta no preço dos alimentos nos últimos anos no Brasil
    Tags:
    racismo, Câmara dos Deputados, Joe Biden, EUA, novo coronavírus, COVID-19, políticos, ministérios, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar