00:46 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 260
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais relevantes desta sexta-feira (13), na qual laudo do IML aponta causa da morte de voluntário da CoronaVac, Guedes garante auxílio emergencial em caso de segunda onda de COVID-19 e Etiópia declara vitória militar na região de Tigré.

    Voluntário da CoronaVac faleceu por intoxicação de medicamentos, aponta IML

    Na quinta-feira (12), laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que voluntário dos testes da vacina CoronaVac faleceu por intoxicação causada por combinação de remédios, reportou o portal G1. A causa da morte não seria, portanto, relacionada ao imunizante. Na terça-feira (10), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) havia suspendido testes com a vacina por "evento adverso" em voluntário. O Brasil reportou mais 926 mortes e 34.640 novos casos de COVID-19, totalizando 164.332 óbitos e 5.783.647 casos da doença, informou consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Jovens andam de monocicleta elétrica pela Avenida Paulista, São Paulo, 7 de novembro de 2020
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Jovens andam de monocicleta elétrica pela Avenida Paulista, São Paulo, 7 de novembro de 2020

    Se houver 2ª onda, governo vai recriar auxílio emergencial, diz ministro

    Na quinta-feira (12), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, caso o Brasil passe por uma segunda onda de infecções de COVID-19, o governo vai prorrogar o auxílio emergencial. "Não é possibilidade, é certeza", declarou o ministro durante evento com empresários do setor de supermercados. "Vamos decretar estado de calamidade pública e vamos recriar [o auxílio emergencial]". O ministro disse, no entanto, que o governo não trabalha com a possibilidade de segunda onda de COVID-19 no Brasil, uma vez que a "probabilidade é baixa". Na ausência de segunda onda, o ministro está confiante de que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá até 4% em 2021.

    Ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, discursa no Palácio do Itamaraty, Brasília, 20 de outubro de 2020
    © REUTERS / Adriano Machado
    Ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, discursa no Palácio do Itamaraty, Brasília, 20 de outubro de 2020

    EUA realizaram eleições 'mais seguras da história', diz agência governamental

    Na terça-feira (12), a Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura dos EUA emitiu parecer no qual assegurou que o processo eleitoral norte-americano de 3 de novembro foi o "mais seguro da história" do país. A agência ligada do Departamento de Segurança Interna dos EUA declarou não haver "evidências de que qualquer sistema de votação excluiu ou perdeu votos, alterou votos ou foi de alguma forma comprometido". O candidato do Partido Democrata, Joe Biden, é apontado como vencedor das eleições presidenciais norte-americanas. A apuração de votos ainda não foi concluída e o rival de Biden e atual presidente dos EUA, Donald Trump, ainda não reconheceu derrota.

    Apuração dos votos da eleição na cidade de San Juan, Porto Rico, 11 de novembro de 2020
    © REUTERS / Ricardo Arduengo
    Apuração dos votos da eleição na cidade de San Juan, Porto Rico, 11 de novembro de 2020

    Líderes opositores são presos em meio a protestos na Armênia

    Na quinta-feira (12), o governo da Armênia prendeu dez líderes opositores por participação em protestos violentos contra o primeiro-ministro do país, Nikol Pashinyan. O primeiro-ministro é apontado como culpado por alegada derrota militar armênia para o Azerbaijão na região contestada de Nagorno-Karabakh. O governo russo emitiu decreto que regula a atividade de missão de paz na região contestada, fixando seu contingente em 1.960 militares, 90 veículos blindados e 380 funcionários técnicos. De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a amizade russa com ambas as partes do conflito teria viabilizado a mediação de acordo de paz no conflito entre Erevan e Baku.

    Policiais armênios carregam manifestante durante protesto contra o primeiro-ministro do país, em Erevan, Armênia, 12 de novembro de 2020
    © AFP 2020 / Karen Minasyan
    Policiais armênios carregam manifestante durante protesto contra o primeiro-ministro do país, em Erevan, Armênia, 12 de novembro de 2020

    Etiópia alega vitória militar em Tigré

    Na quinta-feira (12), o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, declarou ter derrotado as forças da Frente Popular para a Libertação de Tigré (FPLT). "A região noroeste de Tigré foi liberada", afirmou o primeiro-ministro etíope em rede social. A organização Anistia Internacional, no entanto, denunciou assassinatos em massa e violações dos direitos humanos na operação militar coordenada pela capital etíope Adis Abeba. A região de Tigré foi alvo de operação das Forças Armadas da Etiópia após alegado ataque da FLPT contra forças governamentais. A região foi desconectada de serviços digitais e da Internet, o que impede a confirmação das informações providas pela organização, informou a agência Reuters.

    Homem lê reportagem sobre operação militar do governo da Etiópia contra a província de Tigray, na capital etíope Adis Abeba, 7 de novembro de 2020
    © AP Photo / Samuel Habtab
    Homem lê reportagem sobre operação militar do governo da Etiópia contra a província de Tigray, na capital etíope Adis Abeba, 7 de novembro de 2020

    Partido de Aung San Suu Kyi vence eleições em Mianmar

    Nesta sexta-feira (13), o partido da ativista laureada com o prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, venceu eleições gerais em Mianmar, informou o Conselho de Estado do país asiático, O partido Liga Nacional pela Democracia obteve 346 das 412 cadeiras do parlamento local e poderá formar governo para liderar o país.  A oposição local alegou fraude no processo eleitoral celebrado em 8 de novembro. Essa é a segunda vez que Mianmar realiza eleições desde o fim de regime militar, que governou o país até 2011.

    Mais:

    Forças de paz russas entram na capital de Nagorno-Karabakh
    Rússia aplica sanções de resposta contra UE pelo caso Navalny, diz Lavrov
    Grande 'erro', alertam especialistas sobre perda de espaço do Brasil na África
    Tags:
    Nagorno-Karabakh, Rússia, Armênia, eleições, eua, Etiópia, Mianmar, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar