18:23 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 210
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias mais relevantes desta sexta-feira (23), marcada pela aprovação da Renda Básica em São Paulo, pelo alerta de Teerã para hostilidades em suas fronteiras e pelos sinais de que a chinesa Huawei pode estar sucumbindo às pressões dos EUA.

    Brasil tem queda no número de mortes por COVID-19 e polêmica sobre vacina chinesa

    Nesta quinta-feira (22), o Brasil registrou mais 503 mortes e 25.033 casos de COVID-19, de acordo com consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa. Os dados apontam tendência de queda no número de mortes no país. Em busca de uma vacina contra a doença, o Instituto Butantan declarou estar esperando há mais de um mês autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importar insumos necessários à produção da vacina chinesa CoronaVac. Governos estaduais e federal divergem acerca da possibilidade de produzir a vacina chinesa no Brasil.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro em cerimônia de graduação com a Ordem do Rio Branco, no Palácio Itamaraty, Brasília, 22 de outubro de 2020
    © REUTERS / Adriano Machado
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro em cerimônia de graduação com a Ordem do Rio Branco, no Palácio Itamaraty, Brasília, 22 de outubro de 2020

    Câmara de SP aprova Renda Básica de R$ 100 para capital paulista

    Nesta quinta-feira (22), a Câmara Municipal de São Paulo aprovou projeto que cria a Renda Básica Emergencial para moradores da cidade. Projeto do vereador Eduardo Suplicy (PT) que recebeu apoio do prefeito Bruno Covas (PSDB) pretende atender cerca de 1,3 milhão de pessoas, incluindo famílias cadastradas no Bolsa Família e trabalhadores ambulantes, por três meses. Em meio a críticas pela aprovação do projeto em ano eleitoral, vereadores favoráveis defenderam a medida como proteção aos mais vulneráveis durante a pandemia. O projeto de lei segue para sanção do prefeito da capital paulista.

    Em debate menos caótico, Trump e Biden trocam acusações na reta final das campanhas

    Nesta quinta-feira (22), os presidenciáveis norte-americanos Donald Trump e Joe Biden realizaram último debate em rede nacional de suas campanhas eleitorais. Com regras mais rígidas para evitar interrupções, Trump defendeu a resposta à COVID-19 de sua administração, dizendo que a "pandemia está quase acabando, está indo embora". Biden acusou o presidente de já ter prometido que a pandemia acabaria na Páscoa e no verão (do Hemisfério Norte), mas que "agora estamos entrando em um inverno sombrio [...], e ele não tem um plano claro". As eleições presidenciais norte-americanas serão celebradas no dia 3 de novembro.

    Presidente norte-americano, Donald Trump fala durante debate entre candidatos à presidência do país, em Nashville, Tennessee, EUA, 22 de outubro de 2020
    © REUTERS / Jim Bourg
    Presidente norte-americano, Donald Trump fala durante debate entre candidatos à presidência do país, em Nashville, Tennessee, EUA, 22 de outubro de 2020

    Europa reimpõe restrições para combater 2ª onda de COVID-19

    Nesta quinta-feira (22), a França ultrapassou a marca de um milhão de casos de COVID-19 e implementou toque de recolher a mais 46 milhões de residentes do país e territórios ultramarinos. A Irlanda, por sua vez, se tornou o primeiro país europeu a reintroduzir o lockdown. Com casos em ascensão, a Rússia decidiu estender pagamento adicional a agentes de saúde da linha de frente do combate ao novo coronavírus até o fim de 2021, informou a vice-primeira-ministra Tatiana Golikova.

    Luzes ultravioletas iluminam vagão do metrô durante desinfecção, em Moscou, Rússia, 22 de outubro de 2020
    © AP Photo / Pavel Golovkin
    Luzes ultravioletas iluminam vagão do metrô durante desinfecção, em Moscou, Rússia, 22 de outubro de 2020

    Teerã promete responder se violência do conflito de Nagorno-Karabakh atingir suas fronteiras

    Nesta sexta-feira (23), o embaixador do Irã em Moscou, Kazem Jalali, declarou que Teerã não vai tolerar agressões em suas fronteiras decorrentes do conflito na região vizinha de Nagorno-Karabakh. "[O Irã] está monitorando atentamente as atividades na fronteira […] e nós alertamos seriamente [as partes] para tomarem cuidado", disse Jalali à Sputnik. Nesta quinta-feira (22), o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, afirmou que as Forças Armadas azeris ocuparam a região sul de Nagorno-Karabakh, tomando o controle da fronteira entre Azerbaijão e Irã.

    Voluntários e reservistas treinam para se juntar ao Exército de Defesa de Nagorno-Karabakh, em Erevan, Armênia, 22 de outubro de 2020
    © AFP 2020 / Karen Minasyan
    Voluntários e reservistas treinam para se juntar ao Exército de Defesa de Nagorno-Karabakh, em Erevan, Armênia, 22 de outubro de 2020

    'Sob intensa pressão', Huawei tem queda significativa na receita em 2020

    Nesta sexta-feira (22), a gigante de telecomunicações chinesa, Huawei, reportou retração em suas receitas, em função de restrições impostas pelos EUA. De acordo com a empresa, as receitas nos primeiros nove meses de 2020 recuaram 24,4%, em relação ao mesmo período do ano passado. "A cadeia global de fornecimento da Huawei está sob intensa pressão e sua produção e operação enfrentam crescentes dificuldades", informou a empresa em nota. Restrições impostas pelos EUA ao fornecimento de microchips à empresa dificultam sua produção de smartphones, ramo no qual a empresa é uma das líderes mundiais.

    Mais:

    Putin fala sobre COVID-19, armas e outros temas em reunião anual do Clube Valdai
    Pequim responde à rejeição do Brasil de comprar vacina chinesa CoronaVac
    Marcelo Freixo: prisão de Robson Oliveira na Rússia não é ilegal, mas é injusta
    Tags:
    Huawei, China, Irã, Nagorno-Karabakh, eleições, EUA, pandemia, COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar