05:30 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1240
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais importantes desta quarta-feira (9), marcada pela interrupção de testes da vacina de Oxford/AstraZeneca, pela alta nos preços dos produtos da cesta básica e pelo ataque ao vice-presidente do Afeganistão.

    Ações da AstraZeneca despencam após testes de vacina serem interrompidos

    Nesta terça-feira (8), as ações da farmacêutica AstraZeneca, que desenvolve vacina contra COVID-19 em parceria com a Universidade de Oxford do Reino Unido, recuaram mais de 8% nos EUA. O recuo veio após a empresa anunciar a interrupção nos testes da vacina, após paciente britânico apresentar mielite transversa, uma síndrome inflamatória causada por infecções virais que afeta a medula espinhal. Países que participam dos testes da vacina, como o Brasil e a Coreia do Sul, foram informados sobre a interrupção dos testes e suspenderam a convocação de novos voluntários.

    • A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmou ter sido notificada pela AstraZeneca, mas vai aguardar o envio de mais informações para se pronunciar oficialmente, informou a agência em nota. A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que conduz os testes no Brasil, declarou não ter registrado reações adversas em nenhum dos cinco mil pacientes que receberam a vacina no país. No entanto, o infectologista e pesquisador da Fiocruz, Júlio Croda, confirmou em entrevista à CNN Brasil que o desenvolvimento da vacina deve atrasar em função da detecção de reação adversa.
    • O Brasil registrou nesta terça-feira (8) queda recorde na média móvel de número de mortes pela COVID-19. Com 516 óbitos registrados em 24h, a média teve queda de 26%. Há tendência de queda em 19 estados da federação. O Brasil registra 127.517 vítimas fatais e 4.165.124 pacientes infectados pelo novo coronavírus, de acordo com dados do consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Cesta básica tem alta de preços acima da inflação

    Os preços de produtos da cesta básica brasileira apresentam alta acima da inflação nas últimas semanas. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, a alta do preço do arroz atingiu os 100% nos últimos 12 meses. Normalmente vendido a cerca de R$ 15, o pacote de cinco quilos de arroz atingiu os R$ 40 em algumas cidades. Outros produtos, como a linguiça, apresentam aumento percentual de até 69,7%, informou a Horus. Nesta terça-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro revelou durante transmissão ao vivo em rede social que fez "apelo" aos donos de supermercados para que reduzissem sua taxa de lucro e contivessem os preços.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante as comemorações do Dia da Independência, Brasília, 7 de setembro de 2020
    © REUTERS / Adriano Machado
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante as comemorações do Dia da Independência, Brasília, 7 de setembro de 2020

    Trump deve anunciar retirada de tropas de Iraque e Afeganistão

    Nesta quarta-feira (9), o presidente dos EUA, Donald Trump, deve anunciar a retirada de tropas do Iraque, revelou fonte do governo norte-americano à AFP. Durante reunião com o primeiro-ministro iraquiano, Mustafa al-Kadhemi, realizada em agosto na Casa Branca, Trump havia antecipado a retirada, mas sem apresentar cronograma. O presidente norte-americano também deve anunciar a retirada de tropas do Afeganistão. De acordo com o Pentágono, o governo quer reduzir a presença norte-americana a menos de cinco mil soldados até a realização das eleições presidenciais de novembro nos EUA.

    Apoiadores do presidente norte-americano, Donald Trump, durante comício no aeroporto de Winston-Salem, Carolina do Norte, EUA, 8 de setembro de 2020
    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Apoiadores do presidente norte-americano, Donald Trump, durante comício no aeroporto de Winston-Salem, Carolina do Norte, EUA, 8 de setembro de 2020

    EUA e aliados devem impor mais sanções contra Bielorrússia, diz Pompeo

    Nesta terça-feira (8), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou que Washington e seus aliados estudam a imposição de mais sanções contra a Bielorrússia. Segundo ele, os aliados "consideram implementar sanções dirigidas" contra indivíduos "envolvidos em violações dos direitos humanos e repressão". Manifestantes voltaram a se reunir na capital Bielorrussa para demonstrar apoio à líder opositora Maria Kolesnikova, informou correspondente da Sputnik. Para Pompeo, "autoridades bielorrussas têm responsabilidade de garantir a segurança de Kolesnikova". A Bielorrússia vive onda de protestos, após os resultados das eleições presidenciais de 9 de agosto terem sido contestados pela oposição local.

    Líder opositora bielorrussa Maria Kolesnikova durante manifestações na capital do país, Minsk, 30 de agosto de 2020
    © REUTERS / Tut.by
    Líder opositora bielorrussa Maria Kolesnikova durante manifestações na capital do país, Minsk, 30 de agosto de 2020

    Vice-presidente do Afeganistão é alvo de ataque em Cabul

    Nesta quarta-feira (9), pelo menos duas pessoas faleceram e 12 ficaram feridas após explosão atingir comboio de carros, no qual se encontrava o vice-presidente do Afeganistão, Amrullah Saleh, no centro da capital Cabul, informou o Ministério do Interior do país. "O ataque terrorista falhou e Saleh está bem", declarou o porta-voz do vice-presidente, Razwan Murad. Crítico assíduo do grupo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia), Saleh sobreviveu a ataque similar em 2019, pouco antes da celebração de eleições presidenciais. O ataque foi realizado em meio a expectativas de início de negociações de paz entre Cabul e o Talibã, a serem realizadas na cidade de Doha, no Qatar.

    Mais:

    Lula está 'mais ofensivo, menos conciliador', diz cientista política
    Segundo lote da vacina russa Sputnik V já está sendo produzido para o uso civil
    Elites do Brasil estão entre as piores do mundo; China surpreende e Singapura lidera ranking inédito
    Tags:
    sanções, Bielorrússia, Afeganistão, Iraque, eleições, EUA, pandemia, vacina, COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar