07:18 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    3400
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias desta terça-feira (1º), marcada pelo novo diagnóstico do presidente Bolsonaro, pelo perdão de Maduro a opositores na Venezuela e pelo acordo entre Israel e o Hamas para cessar as hostilidades na Faixa de Gaza.

    Brasil registra queda de 12% nas mortes por COVID-19 em agosto

    Nesta segunda-feira (31), o Brasil registrou 619 novas mortes e 48.785 casos de COVID-19, de acordo com o consórcio entre veículos de imprensa e secretarias estaduais de saúde. Em agosto, 28.942 pessoas faleceram em decorrência da doença no país, uma queda de 12% em relação ao mês anterior. Apesar da diminuição, especialistas ouvidos pela Folha de São Paulo acreditam ser precipitado falar em tendência consolidada de queda nas infecções no país. O Brasil registra 121.515 mortes e 3.910.901 casos confirmados de COVID-19 desde o início da pandemia.

    Membros da Cruz Vermelha se abraçam durante homenagem a voluntários que apoiam a sociedade durante a pandemia de COVID-19, Rio de Janeiro, 31 de agosto de 2020
    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Membros da Cruz Vermelha se abraçam durante homenagem a voluntários que apoiam a sociedade durante a pandemia de COVID-19, Rio de Janeiro, 31 de agosto de 2020

    Bolsonaro diagnosticado com pedra nos rins

    Nesta segunda-feira (31), o presidente Jair Bolsonaro se dirigiu ao serviço médico do Palácio do Planalto, após cumprir expediente. De acordo com o canal CNN Brasil, o presidente teria sido submetido a ultrassonografia e diagnosticado com cálculo renal. A emissora reportou que Bolsonaro passará por procedimento de cateterismo ainda no mês de setembro. Bolsonaro disse que o cálculo seria "do tamanho de um grão de feijão". A Secretaria de Comunicação (Secom) da presidência ainda não se manifestou sobre o estado de saúde do presidente.

    Presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle Bolsonaro em cerimônia de celebração do Dia do Voluntário, no Palácio do Planalto, Brasília, 28 de agosto de 2020
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle Bolsonaro em cerimônia de celebração do Dia do Voluntário, no Palácio do Planalto, Brasília, 28 de agosto de 2020

    Haverá 'revolução' nos EUA com Biden na presidência, diz Trump

    Nesta segunda-feira (31), o presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, disse que, caso seu adversário Joe Biden ganhe as eleições de novembro, haverá uma "revolução" no país. "Se Biden entrar, eles vão ter ganhado […] é uma revolução e o povo dos EUA não vai apoiar isso", disse o presidente, referindo-se a movimentos antifascistas e a protestos contra a violência policial que sacodem o país. Anteriormente, Biden havia acusado Trump de causar divisão no país e de emitir declarações que semeiam o caos.

    Manifestantes de mãos dadas durante protesto contra a violência policial na cidade de Boston, Massachusetts (EUA), 30 de agosto de 2020
    © REUTERS / Brian Snyder
    Manifestantes de mãos dadas durante protesto contra a violência policial na cidade de Boston, Massachusetts (EUA), 30 de agosto de 2020

    Maduro perdoa parlamentares de oposição na Venezuela

    Nesta segunda-feira (31), o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, emitiu perdão presidencial para mais de 100 deputados e figuras relacionadas ao oposicionista Juan Guaidó, "no interesse de promover a reconciliação nacional", informou o Palácio Miraflores. O decreto exige que os tribunais "tomem imediatamente as medidas cabíveis para libertar as pessoas" listadas, informou o ministro das Comunicações, Jorge Rodríguez, em discurso transmitido em rede nacional. Guaidó acusou Maduro de usar o perdão presidencial como "armadilha" para cooptar a oposição. Maduro, por sua vez, disse que "a liberdade é sempre bem-vinda".

    Membro da oposição venezuelana, Jose Daniel Hernandez, após ser libertado por decreto presidencial, em Caracas, Venezuela, 31 de agosto de 2020
    © REUTERS / Manaure Quintero
    Membro da oposição venezuelana, Jose Daniel Hernandez, após ser libertado por decreto presidencial, em Caracas, Venezuela, 31 de agosto de 2020

    Israel e Hamas entram em acordo para encerrar semanas de violência na Faixa de Gaza

    Nesta segunda-feira (31), líderes do grupo Hamas anunciaram ter chegado a acordo com Israel para encerrar semanas de violência na Faixa de Gaza, informou a AFP. O acordo, mediado por autoridades do Qatar, prevê o fim do uso de balões incendiários caseiros pelo Hamas, em troca de autorização de Israel para entrada de combustível para a estação elétrica da Cidade de Gaza, que atualmente opera por somente quatro horas diárias. Desde o dia 6 de agosto, Israel realizou bombardeios praticamente diários contra Gaza, em alegada resposta ao lançamento de balões incendiários caseiros pelo Hamas.

    Filipinas diz que não observará sanções dos EUA impostas contra empresas chinesas

    Nesta terça-feira (1º), o porta-voz da presidência das Filipinas, Harry Roque, informou que o país não interromperá projetos com empresas chinesas sancionadas pelos EUA. Segundo ele, o presidente filipino Rodrigo Duterte não tenciona observar as sanções norte-americanas, uma vez que as Filipinas são um país independente, que precisa de investimentos em infraestrutura. As empresas chinesas sancionadas pelos EUA em função do seu papel na construção de ilhas artificiais no mar do Sul da China serão autorizadas a manter suas atividades nas Filipinas, concluiu o porta-voz.

    Mais:

    Vacina russa é feita com tecnologia nova e avançada, diz diretor-presidente do Tecpar
    Brasil e EUA em alerta: China propõe à Rússia criação de 'aliança da soja'
    Rússia considera 'extremamente perigosas' manobras dos EUA e Estônia perto de suas fronteiras
    Tags:
    Hamas, israel, Filipinas, Nicolás Maduro, Venezuela, Joe Biden, Donald Trump, EUA, saúde, Bolsonaro, COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar