05:51 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 301
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha os destaques desta quinta-feira (27), marcada pela demissão do CEO do TikTok, pela aprovação de projeto de afastamento de trabalhadoras grávidas, pelo incidente entre militares dos EUA e da Rússia e pelo interesse da Bahia na vacina russa Sputnik V.

    Bahia demonstra interesse na vacina Sputnik V

    O Brasil segue sendo assolado pela COVID-19 e, em meio à falta de coordenação nacional, as regiões brasileiras continuam tentando lutar independentemente. Nove estados do Nordeste uniram seus recursos para combater a COVID-19 e, assim como o estado do Paraná, sinalizaram interesse na vacina russa Sputnik V. Com a forma descoordenada de atuar do governo Bolsonaro, as operações de combate ao coronavírus são limitadas. Até o momento, apenas três vacinas estão sendo testadas em última fase no Brasil, sendo a de Oxford (Reino Unido), a da Sinovac (China) e a da BioNTech/Pfizer (Alemanha/EUA).

    Vacina Sputnik V sendo testada no Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya
    © Sputnik / Vladimir Pesnya
    Vacina Sputnik V sendo testada no Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya

    Câmara aprova projeto que obriga teletrabalho de gestantes

    Em meio à pandemia de COVID-19, a Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (26) o projeto determinando o afastamento de trabalhadoras grávidas do regime presencial, ou seja, a trabalhadora gestante poderá cumprir as atividades através de teletrabalho. A relatora, deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), destacou que para conter a disseminação da doença é preciso evitar o contato entre pessoas.

    Gestante
    © AP Photo / Susan Pilcher
    Gestante

    Soldados dos EUA tentam bloquear patrulha russa na Síria

    Um incidente envolvendo uma patrulha russa e militares dos EUA na região norte da Síria deixou ao menos quatro soldados norte-americanos feridos. O episódio ocorreu após a colisão de um veículo russo e um todo-terreno da coalizão liderada pelos EUA. De acordo com o chefe do Estado-Maior russo, general Valery Gerasimov, o incidente ocorreu quando o veículo norte-americano violou os acordos atuais e tentou bloquear a patrulha russa. Sem outra opção, a Polícia das Forças Armadas da Rússia tomou medidas necessárias para evitar o incidente e dar continuidade à execução de sua missão.

    Polícia das Forças Armadas da Rússia na Síria
    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Polícia das Forças Armadas da Rússia na Síria

    Presidente-executivo do TikTok anuncia demissão

    O presidente-executivo do TikTok, Kevin Mayer, anunciou sua demissão enquanto a plataforma se encontra pressionada pela administração Trump. O presidente dos EUA acusa o TikTok, que tem aproximadamente 80 milhões de usuários só em solo americano, de servir como meio de espionagem para Pequim, passando dados de cidadãos norte-americanos para a China, e no dia 14 de agosto havia proibido as empresas norte-americanas de realizar transações comerciais com o TikTok e com a companhia chinesa proprietária do aplicativo, a ByteDance. Por sua vez, o TikTok apresentou insatisfação contra o governo Trump ao Tribunal Federal dos EUA, afirmando que tomaria medidas para proteger os direitos da empresa, da comunidade e dos funcionários.

    Logotipo do TikTok
    © AP Photo / Anjum Naveed
    Logotipo do TikTok

    Pequim responde a sanções de Washington

    Depois de os EUA imporem sanções a 24 empresas chinesas por suposta participação na construção de estruturas militares nas ilhas do mar do Sul da China, Pequim parece não ter se intimidado. De acordo com Mark Esper, secretário de defesa dos EUA, o gigante asiático estaria exercendo pressão financeira e política contra empresas públicas e privadas de nações indo-pacíficas e europeias, além de estar buscando novos parceiros estratégicos, o que deixa os norte-americanos preocupados. Esper também destaca que Pequim estaria agindo de forma especial nas regiões disputadas no mar do Sul da China, onde as autoridades de Pequim reivindicam soberania.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping

    Trump envia Guarda Nacional para conter protestos em Kenosha

    Em meio aos protestos que tomam conta das ruas de Kenosha, em Wisconsin, nos EUA, a administração Trump decidiu enviar quase mil soldados da Guarda Nacional e mais de 200 policiais federais, incluindo FBI e Serviço de Delegados à região, após o governador aceitar a ajuda federal depois que duas pessoas morreram e outra ficou ferida na noite de terça-feira (25) durante os violentos protestos, incluindo incêndio criminoso e saqueamentos, causados pela morte de Jacob Blake, um homem negro de 29 anos, que foi baleado sete vezes nas costas por um policial.

    Manifestantes participam de protesto em Kenosha, EUA
    © REUTERS / STEPHEN MATUREN
    Manifestantes participam de protesto em Kenosha, EUA

    Mais:

    Mais de mil detentos já morreram de COVID-19 nos EUA, afirma organização
    Brasil tem 1.085 mortes por COVID-19 em 24 horas e total de óbitos sobe para 117.665, diz ministério
    Fiocruz e Anvisa coordenam produção da vacina contra COVID-19
    Pior fase da COVID-19 já passou no Brasil, diz sanitarista
    Tags:
    vacinação, vacina, Bahia, novo coronavírus, COVID-19, soldados, soldado, acidente, militares, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar