09:24 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    2350
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias mais relevantes desta terça-feira (7), na qual Bolsonaro deve receber o resultado de seu exame para COVID-19, os EUA estão "atolados até os joelhos" na primeira onda de propagação da doença e Pompeo ameaça proibir o TikTok nos EUA.

    Bolsonaro aguarda resultado de teste de COVID-19

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi submetido a teste para COVID-19 e ressonância do pulmão após apresentar febre de 38 °C e dores no corpo. Bolsonaro disse a apoiadores que seu "pulmão está limpo". De acordo com a Secretaria Especial de Comunicação Social, o resultado do teste sairá ainda hoje (7). A pandemia se aproxima do Palácio do Planalto: a avó da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, de 80 anos, foi entubada neste domingo (5), em função da COVID-19. O Brasil registra 1.626.071 de casos de COVID-19 e 65.566 vítimas fatais.

    Apoiador do presidente Jair Bolsonaro usando máscara com a imagem do presidente, no Rio de Janeiro, 7 de junho de 2020
    © AFP 2020 / Carl de Souza
    Apoiador do presidente Jair Bolsonaro usando máscara com a imagem do presidente, no Rio de Janeiro, 7 de junho de 2020

    Deputado Major Vitor Hugo é sondado para assumir o MEC

    O deputado Major Vitor Hugo, líder do governo na Câmara dos Deputados, foi sondado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação. Nesta segunda (6), Vitor Hugo se reuniu com Bolsonaro para debater sua nomeação. "Ele me perguntou se eu toparia, caso ele me escolhesse, e eu disse que sim", disse Vitor Hugo, segundo o portal G1. O futuro ministro deve encarar crise na pasta, que apostou na realização do ENEM 2020, apesar de dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) apontarem que três a cada quatro candidatos podem não ter acesso regular à Internet para se preparar para o certame.

    Funcionário de restaurante aguarda clientes, no primeiro dia de reabertura do setor em São Paulo, 6 de julho de 2020
    © AP Photo / Andre Penner
    Funcionário de restaurante aguarda clientes, no primeiro dia de reabertura do setor em São Paulo, 6 de julho de 2020

    EUA ainda estão 'atolados até os joelhos' na 1ª onda de infecções de COVID-19, diz Fauci

    O conselheiro da Casa Branca, Anthony Fauci, alerta que os EUA ainda estão "atolados até os joelhos" na primeira onda de infecções de COVID-19. "Nós tivemos uma alta [no número de casos], não retrocedemos a uma linha-base, e agora estamos subindo novamente", explicou Fauci. O governador da Califórnia, Gavin Newsom, solicitou a seis condados que fechem cinemas, teatros, museus e demais estabelecimentos após registro de 55 mil novos casos de COVID-19 no estado. A cidade de Miami também reimpôs restrições aos serviços de bares e restaurantes em salões fechados. Os EUA registram 2.938.624 casos de COVID-19 e mais de 130 mil vítimas fatais, segundo a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Pompeo diz que EUA estudam banir apps chineses, como o TikTok

    Nesta segunda-feira (6), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, declarou que Washington estuda banir aplicativos chineses do país, incluindo o popular TikTok. A medida se inclui no esforço norte-americano de conter o avanço de empresas chinesas no setor de telecomunicações e serviços de Internet. Apesar de não operar na China continental, o aplicativo TikTok, foi recentemente proibido na Índia, após confronto entre tropas de Pequim e Nova Deli em uma região de fronteira. Leia mais sobre o cerco ao TikTok

    • No mesmo dia (6), porta-voz do diretor-executivo do aplicativo, Kevin Mayer, declarou que "dados os recentes acontecimentos, decidimos suspender as operações do TikTok em Hong Kong", reportou a Reuters. O aplicativo, que adota uma política de distanciamento das suas raízes chinesas, reiterou que os dados dos seus usuários não são mantidos na China.
    • A rede social Facebook, que também opera o WhatsApp e o Instagram, declarou que irá deixar de avaliar os pedidos de revisão de conteúdo emitidos pelo governo de Hong Kong, após Pequim aprovar a lei de segurança nacional para a região autônoma. O Google e o Twitter também anunciaram medidas similares, nesta segunda-feira (6).
    Garota usa máscara com o símbolo do aplicativo TikTok, em Mumbai, na Índia, 1º de julho de 2020
    © REUTERS / Francis Mascarenhas
    Garota usa máscara com o símbolo do aplicativo TikTok, em Mumbai, na Índia, 1º de julho de 2020

    China sobe o tom e critica EUA nas Nações Unidas

    Nesta segunda-feira (6), a China aderiu ao Tratado de Comércio de Armas Convencionais, que regula as exportações mundiais de armamentos. Assinado pelos EUA em 2013, o tratado foi rechaçado pela administração Trump. Sem citar nominalmente os EUA, o representante permanente da China na ONU, Zhan Jun, disse que "um certo país abandonou os seus compromissos internacionais e empreende ações unilaterais e de bullying", o que "dificulta os esforços conjuntos dos países para lidar com desafios globais", como o aquecimento global, disse Zhang. "Grandes potências deveriam dar o exemplo e contribuir para a manutenção da ordem internacional", concluiu o diplomata.

    Mais:

    Crise na TAP: entidade empresarial portuguesa cobra o fim das operações da companhia no Brasil
    Chanceler do Irã saúda desdolarização que 'reduz pressão das sanções' sobre economia
    Rússia vai responder às novas sanções anunciadas pelo Reino Unido, diz parlamentar russo
    Tags:
    aplicativos, China, teste, Bolsonaro, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar