00:26 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    2240
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias desta terça-feira (23), na qual o Senado deve votar adiamento das eleições municipais, Trump ameaça manifestantes com 10 anos de prisão e funcionário chinês recomenda que Pequim se prepare para ser cortada do sistema de pagamentos em dólares.

    OMS: pandemia se acelera mundialmente e caso do Brasil é preocupante

    Nesta segunda-feira (22), a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que há "um aumento de número de casos" de COVID-19 preocupante no Brasil. "A pandemia segue acelerando", informou o diretor-geral da organização, Tedros Ghebreyesus. O Brasil é o 2º país mais atingido pela COVID-19 mundialmente, com 1.111.348 diagnósticos e 51.407 vítimas fatais, de acordo com os dados das secretarias estaduais de saúde. Para o presidente Jair Bolsonaro, no entanto, há "um pouco de exagero" na forma que a OMS e outras autoridades lidaram com a pandemia e pediu, durante entrevista ao canal AgroMais, que "governadores e prefeitos [...] comecem a abrir o comércio".

    Paciente com COVID-19 é tratado no Hospital Oceânico, em Niterói, no Rio de Janeiro, 22 de junho de 2020
    © AFP 2020 / Carl de Souza
    Paciente com COVID-19 é tratado no Hospital Oceânico, em Niterói, no Rio de Janeiro, 22 de junho de 2020

    Senado deve votar adiamento das eleições municipais, em função da COVID-19

    Nesta terça-feira (23), o Senado deve votar o adiamento das eleições municipais deste ano, em função da COVID-19. A alteração do calendário eleitoral exige a aprovação de emenda constitucional, uma vez que a  Constituição Federal prevê que o primeiro turno das eleições seja realizado no primeiro domingo de outubro. O texto a ser votado no Senado propõe que o primeiro turno seja realizado em 15 de novembro, e o segundo, em 29 de novembro. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, declarou ser contra um eventual adiamento do pleito para 2021, com consequente prorrogação dos mandatos das autoridades municipais.

    Trump ameaça manifestantes com 10 anos de prisão por tentarem retirar estátua de ex-presidente

    Manifestantes antirracismo tentaram retirar a estátua do ex-presidente dos EUA, Andrew Jackson, de uma praça na capital dos EUA, Washington. Jackson era famoso por tratar cruelmente os indígenas norte-americanos durante sua presidência, de 1829 a 1837. Os protestos se tornaram violentos após a polícia afastar os manifestantes da estátua à força. "Várias pessoas foram presas na capital por causa de vandalismo lamentável no Parque Lafayette, contra a magnífica estátua de Andrew Jackson", escreveu Trump no Twitter. "10 anos de prisão de acordo com o Ato de Preservação de Memoriais a Veteranos, tomem cuidado!"

    Homem ajuda manifestante atingida por spray de pimenta lançado pela polícia, durante ato na capital dos EUA, Washington, 23 de junho de 2020
    © REUTERS / Tom Brenner
    Homem ajuda manifestante atingida por spray de pimenta lançado pela polícia, durante ato na capital dos EUA, Washington, 23 de junho de 2020

    Arábia Saudita irá restringir peregrinação a Meca em função da COVID-19

    Nesta terça-feira (23), a Arábia Saudita confirmou que irá limitar a tradicional peregrinação a Meca, que, neste ano, só poderá ser realizada por fiéis residentes no reino. O ritual islâmico hajj reúne anualmente cerca de 2,5 milhões de peregrinos muçulmanos na Arábia Saudita. Apesar do seu caráter religioso, a peregrinação é considerada uma atividade de alto risco em meio à pandemia de COVID-19. Riad já confirmou mais de 161 mil casos de COVID e 1.307 vítimas fatais, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Tendas montadas para peregrinos na cidade de Meca, na Arábia Saudita, 23 de junho de 2020
    © AFP 2020 / STR
    Tendas montadas para peregrinos na cidade de Meca, na Arábia Saudita, 23 de junho de 2020

    China deve se preparar para ser cortada do sistema de pagamentos em dólares, diz funcionário

    Nesta terça-feira (23), o vice-diretor da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China, Fang Xinghai, disse que o país deve ser preparar para ser cortado do sistema internacional de pagamentos em dólares. "Esse tipo de coisa já aconteceu com muitas empresas e instituições financeiras russas. Temos que nos preparar com antecedência – não nos prepararmos psicologicamente, mas nos prepararmos de verdade", disse Feng, de acordo com o jornal South China Post. Membros da administração Trump e do Congresso dos EUA consideram a imposição de sanções contra Pequim, por alegadas violações de direitos humanos em Hong Kong.

    Estudantes observam o distanciamento social em cerimônia de formatura da Universidade Tsinghua, em Pequim, China, 23 de junho de 2020
    © REUTERS / Tingshu Wang
    Estudantes observam o distanciamento social em cerimônia de formatura da Universidade Tsinghua, em Pequim, China, 23 de junho de 2020

    Enviado dos EUA para controle de armas diz que negociação com Rússia foi 'muito positiva'

    O secretário especial dos EUA para Controle de Armamentos, Marshall Billingslea, declarou que a primeira rodada de negociações com a Rússia sobre a prorrogação do acordo de controle de armas estratégicas Novo Start, que expira em 2021, foi "muito positiva". Conduzidas por Billingslea e pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, as negociações realizadas em Viena, na Áustria, duraram cerca de 10 horas. "[Realizamos] discussões detalhadas sobre um amplo espectro de assuntos nucleares", escreveu Billingslea em sua conta no Twitter. Para o norte-americano, um acordo pode ser atingido na segunda rodada de negociações.

    Mais:

    Coronel americano indica o ponto mais fraco da Força Aérea dos EUA
    'Não iriam obedecer': generais revelam como as Forças Armadas agiriam se Bolsonaro tentasse golpe
    Livro de Bolton mostra 'insignificância extraordinária' do Brasil para o governo Trump, diz analista
    Tags:
    Hajj, Arábia Saudita, controle de armas, Dólar, China, racismo, EUA, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar