07:26 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    2230
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias desta sexta-feira (19), na qual o Brasil pode atingir a marca de um milhão de casos de COVID-19, Trump e redes sociais travam nova batalha e especialistas discutem o genoma do coronavírus encontrado em Pequim.

    Brasil pode atingir nesta sexta-feira a marca de 1 milhão de casos de COVID-19

    De acordo com dados do consórcio entre veículos de imprensa e as secretarias estaduais de saúde, o Brasil confirmou mais 23.050 pacientes infectados pela COVID-19 nas últimas 24 horas, totalizando 983.359 casos. Se a tendência persistir, o país pode atingir a marca de um milhão de casos de COVID-19, ultrapassada somente pelos EUA, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA). Apesar da situação epidemiológica preocupante, o Campeonato Carioca foi retomado ontem (17), com o Flamengo goleando o Bangu por 3x0, em um Maracanã sem torcedores.

    Juiz cita vínculo entre Queiroz e milicianos em decisão

    A decisão que autorizou a prisão de Fabrício Queiroz, nesta quinta-feira (18), cita a influência do ex-assessor e ex-motorista do então deputado Flávio Bolsonaro sobre milicianos no Rio de Janeiro e força política para pleitear nomeação em cargos comissionados, informou o G1. Na decisão, o juiz diz que Queiroz sacou quase três milhões de reais em espécie e repassou cerca de dois milhões de reais pertencentes a ex-assessores. Queiroz passou a sua primeira noite no presídio de Bangu e é investigado por participar do esquema de "rachadinha" na Assembleia Estadual do Rio de Janeiro (Alerj). Sua esposa, Márcia Oliveira de Aguiar, que também teve a prisão preventiva decretada, é considerada foragida da Justiça.

    Fabrício Queiroz, ex-assessor e ex-motorista do atual senador Flávio Bolsonaro, chega no aeroporto de Jacarepaguá (RJ) em helicóptero da polícia, 18 de junho de 2020
    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Fabrício Queiroz, ex-assessor e ex-motorista do atual senador Flávio Bolsonaro, chega no aeroporto de Jacarepaguá (RJ) em helicóptero da polícia, 18 de junho de 2020

    Argentina registra pior boletim diário de casos de COVID-19 e deve manter quarentena

    A Argentina registrou 43 vítimas fatais pelo novo coronavírus em um único dia, maior número desde o início da pandemia. O número de casos também bateu recorde, ao atingir 1.958 pessoas. Essa foi a primeira vez que Buenos Aires registrou mais de mil casos de COVID-19 diários. Ao todo, a Argentina registra 37.510 casos de COVID-19 e 948 mortes. Em função da alta no número de casos, Buenos Aires considera manter a quarentena rígida em vigor no país desde 20 de março.

    Médico realiza teste para o novo coronavírus em paciente da região de Beccar, subúrbio de Buenos Aires, Argentina, 17 de junho de 2020
    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Médico realiza teste para o novo coronavírus em paciente da região de Beccar, subúrbio de Buenos Aires, Argentina, 17 de junho de 2020

    Tweet de Trump é classificado como 'mídia manipulada' por rede social

    Nesta quinta-feira (18), a empresa Twitter classificou vídeo postado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, como "mídia manipulada". A postagem, vista por mais de 7,7 milhões de pessoas e compartilhada cerca de 125 mil vezes, mostra versão editada de vídeo no qual uma criança negra e uma criança branca brincam juntas. O Facebook também agiu, e removeu anúncios da campanha de reeleição do presidente Donald Trump, que utilizava símbolos associados à Alemanha nazista. O presidente Trump e as mídias sociais estão em queda de braço desde que o governo dos EUA autorizou revisão de lei que protege o setor, após o Twitter classificar postagem de Trump como "infundada", no fim de maio deste ano.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, usa celular durante reunião na Casa Branca, em Washington, EUA, 18 de junho de 2020
    © REUTERS / Leah Millis
    Presidente dos EUA, Donald Trump, usa celular durante reunião na Casa Branca, em Washington, EUA, 18 de junho de 2020

    Secretário de Defesa dos EUA pede para OTAN reduzir dependência de Rússia e China

    O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, pediu que a OTAN tome providências para reduzir a dependência de equipamentos médicos, remédios e produtos de telecomunicação produzidos por Rússia e China, durante reunião de ministros da defesa da aliança realizada nesta quinta-feira (18), por videoconferência. Durante a pandemia de COVID-19, EUA e Rússia cooperaram na esfera de equipamentos médicos, fornecendo ventiladores respiratórios um para o outro durante o pico de infecções pelo novo coronavírus. Os EUA adquiriam medicamentos e equipamentos médicos produzidos na Rússia, após ligação telefônica entre os presidentes de ambos os países, em 30 de março. 

    Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, preside reunião dos ministros da Defesa da OTAN, realizada por videoconferência, em Bruxelas, Bélgica, 17 de junho de 2020
    © REUTERS / Francois Lenoir
    Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, preside reunião dos ministros da Defesa da OTAN, realizada por videoconferência, em Bruxelas, Bélgica, 17 de junho de 2020

    China publica sequenciamento genético do coronavírus encontrado em Pequim

    Autoridades chinesas publicaram o sequenciamento genético do novo coronavírus encontrado no mercado de Xinfadi, que gerou nova onda de infecções na capital Pequim. Observações preliminares sugerem que o vírus "veio da Europa", mas é diferente daquele que está atualmente circulando no continente velho, disse Zhang Yong, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China. "É mais antigo do que o vírus que está circulando na Europa agora", disse. Zhang sugeriu que o vírus poderia ter ficado estocado em alimentos congelados importados da Europa, como salmão. No entanto, especialistas dizem que ainda é cedo para tirar conclusões. Leia mais sobre o sequenciamento genético do vírus encontrado em Pequim.

    Mais:

    Patriotismo, amor pela família e lições: NI publica artigo de Putin sobre 2ª Guerra Mundial
    Abandonando o barco: pandemia pode provocar saída de Paulo Guedes do governo Bolsonaro?
    Trump diz que EUA podem fazer 'dissociação completa da China'
    No 'bolso' dos EUA: Brasil não tem armas para brigar por acordo com parceiro, diz especialista
    Tags:
    Pequim, China, OTAN, Twitter, Maracanã, futebol, Brasil, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar