12:58 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 220
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias mais relevantes desta terça-feira (9), marcada pela determinação do STF para que o governo divulgue os dados da COVID-19, pelo alerta da OMS para a piora nos indicativos mundiais da pandemia e pela decisão da Coreia do Norte de cortar os laços com a Coreia do Sul.

    Brasil tem 849 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas

    De acordo com dados compilados pelo consórcio de veículos de imprensa e das secretarias estaduais de saúde, o Brasil registra 710 mil casos de COVID-19 e 37.312 vítimas fatais. Nas últimas 24 horas, foram registrados 19.631 novos casos e mais 849 óbitos. Os dados foram levantados pelo consórcio, uma vez que o Ministério da Saúde suspendeu, desde o dia 4 de junho, a divulgação dos números acumulados da COVID-19 no Brasil, assim como a taxa de mortalidade da doença e as infecções por cada 100 mil habitantes.

    Caixão é levado em enterro no Cemitério Municipal Recanto, na cidade de Breves, no Pará, 8 de junho de 2020
    © AFP 2020 / Tarso Sarraf
    Caixão é levado em enterro no Cemitério Municipal Recanto, na cidade de Breves, no Pará, 8 de junho de 2020

    STF manda governo retomar divulgação de números da COVID-19

    Nesta segunda-feira (8), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou que o Ministério da Saúde retome a divulgação dos dados sobre a COVID-19 no Brasil, "conforme realizado até o último dia 4 de junho", quando o órgão suspendeu a publicação de dados, essenciais para o combate à pandemia no Brasil. A decisão atendeu a ação apresentada pelos partidos Rede Sustentabilidade, PSOL e PCdoB. Para Moraes, a medida do ministério fere o princípio constitucional da publicidade e não atende à "gravidade" da pandemia, durante a qual o governo deveria adotar medidas para apoiar as atividades do Sistema Único de Saúde.

    George Floyd é velado no Texas

    Mais de seis mil pessoas compareceram ao velório de George Floyd, na cidade de Houston, no Texas, nesta segunda-feira (8). A morte de George Floyd desencadeou um debate político nos EUA sobre a necessidade de reformas profundas no sistema policial. Deputados do Partido Democrata apresentaram o primeiro projeto de lei para viabilizar as reformas. O presidente republicano dos EUA, Donald Trump, não apoia as propostas de reforma, mas avalia outras medidas para diminuir a violência policial nos EUA, informou a porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany.

    'Não é hora de tirar o pé do freio', alerta OMS

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que a pandemia de COVID-19 está se agravando no mundo e pediu aos governos que continuem adotando medidas para contenção do novo coronavírus. No domingo (6), a OMS registrou 136 mil novos casos diários de COVID-19, concentrados sobretudo no continente americano e no Sudeste Asiático, o maior aumento de casos diários da história. O diretor executivo da organização, Mike Ryan, disse que o caso brasileiro inspira preocupação e fez votos para que a comunicação com o país seja "consistente e transparente". De acordo com a OMS, passados seis meses do início da pandemia, já são mais de 6,9 milhões de casos de COVID-19 e mais de 400 mil vítimas fatais no mundo.

    Indiano desinfeta representação do deus Shiva e da deusa Parvati, em um tempo da cidade de Prayagraj, na ìndia, 8 de junho de 2020
    © AP Photo / Rajesh Kumar Singh
    Indiano desinfeta representação do deus Shiva e da deusa Parvati, em um tempo da cidade de Prayagraj, na ìndia, 8 de junho de 2020

    Ministro chinês pede ao Reino Unido que não interfira nos assuntos de Hong Kong

    O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse esperar que Londres se abstenha de interferir nos assuntos internos de Hong Kong, durante conversa telefônica com seu homólogo britânico, Dominic Raab, informou o Reino Unido nesta terça-feira (9). "Hong Kong é um assunto de competência exclusiva da política interna chinesa, e não está sujeito à interferência externa", teria dito Wang. Anteriormente, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson havia declarado que, caso a nova lei de segurança nacional seja aplicada em Hong Kong, o Reino Unido irá considerar a lei uma violação do acordo que devolveu Hong Kong à China, após a colonização britânica, e fornecerá passaportes aos moradores da região que queiram emigrar para o Reino Unido.

    Manifestante empunha bandeira do Reino Unido e passaporte britânico em centro comercial de Hong Kong, na China, 29 de maio de 2020
    © AP Photo / Kin Cheung
    Manifestante empunha bandeira do Reino Unido e passaporte britânico em centro comercial de Hong Kong, na China, 29 de maio de 2020

    Coreia do Norte anuncia que irá cortar linhas de comunicação com o Sul, informa a KCNA

    Nesta terça-feira (9), a Coreia do Norte informou que irá cortar as linhas de comunicação emergenciais que mantém com Seul, informou a agência de notícias estatal KCNA. Na manhã de hoje (9), os norte-coreanos não atenderam a ligação diária realizada entre os militares dos dois países, informou o porta-voz do Ministério da Defesa de Seul. Recentemente, as autoridades norte-coreanas, como o líder Kim Jong-un e sua chefe de gabinete e irmã, Kim Yo Jong, endureceram a retórica contra a Coreia do Sul, sugerindo que "as ações empreendidas em relação ao Sul se transformem em ações empreendidas contra um inimigo", escreveu a KCNA.

    Mais:

    Damares anula 295 anistias concedidas por perseguição política na Ditadura Militar
    Bolsonaro e Guedes são inseparáveis, diz ex-banqueiro criador de campanha anti-Bolsonaro
    Trump tenta se afastar de 'negacionista' Bolsonaro, diz analista
    Tags:
    Coreia do Sul, Coreia do Norte, Reino Unido, China, Hong Kong, Black Lives Matter, eua, Ministério da Saúde, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar