04:17 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    3270
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas principais notícias desta sexta-feira (22), marcada pelo registro de mais de 20 mil mortes por COVID-19 no Brasil, pela divulgação dos gastos de defesa da China para 2020 e pela resposta russa à saída dos EUA de mais um tratado de controle de armas.

    Brasil ultrapassa 300 mil casos e chega a 20 mil mortes

    De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registra 310 mil casos de COVID-19 e 20.047 vítimas fatais. O secretário executivo substituto do ministério, Eduardo Macário, disse não ser possível determinar se o país atingiu o "pico" da doença. O Brasil é o terceiro país com maior número de casos e é um dos cinco países no mundo que ultrapassaram a marca de 20 mil óbitos por COVID-19, ao lado de Itália, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Mulher usa máscara com imagem de santa, na comunidade de Educandos, em Manaus (AM), 19 de maio de 2020
    © REUTERS . Bruno Kelly
    Mulher usa máscara com imagem de santa, na comunidade de Educandos, em Manaus (AM), 19 de maio de 2020

    Ministro Celso de Mello decide hoje sobre sigilo do vídeo da reunião ministerial

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, deve decidir nesta sexta-feira (22), até às 17h do horário de Brasília, sobre a divulgação do vídeo da reunião ministerial presidida por Jair Bolsonaro, em 22 de abril. O vídeo é parte do inquérito para apurar as denúncias do ex-ministro Sérgio Moro de que Bolsonaro teria a intenção de interferir na Polícia Federal (PF). Nesta quinta-feira (22), Bolsonaro afirmou em uma transmissão ao vivo que a divulgação do vídeo provará que não há "nenhum indício" de interferência na PF. Mas alertou: "Tem bastante palavrão, tá?"

    Hong Kong: senadores dos EUA querem sanções contra funcionários chineses

    Nesta quinta-feira (22), senadores republicanos e democratas anunciaram um projeto de lei para impor sanções contra funcionários chineses responsáveis por "violar a independência de Hong Kong", em função da nova lei de segurança a ser imposta na cidade. Após ser colonizada pelo Reino Unido, Hong Kong foi devolvida à China sob condição de manutenção da autonomia, em modelo conhecido como "um país, dois sistemas". O projeto também deve introduzir sanções contra bancos que façam negócios com entidades que, segundo o Congresso dos EUA, estariam empenhadas em prejudicar a autonomia de Hong Kong.

    Soldados norte-americanos durante visita ao cemitério nacional de Arlington, na Virgínia, EUA, 21 de maio de 2020
    TOM BRENNER
    Soldados norte-americanos durante visita ao cemitério nacional de Arlington, na Virgínia, EUA, 21 de maio de 2020

    China desiste de meta de crescimento do PIB e preço do petróleo cai

    Nessa sexta-feira (22), o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, anunciou que o país não irá impor uma meta de crescimento anual do PIB pela primeira vez na sua história, em função da COVID-19. "A situação [...] econômica e comercial é muito incerta e o desenvolvimento da China está enfrentando fatores imprevisíveis", disse Li, durante a sessão anual da Assembleia Popular Nacional. Após o anúncio, os preços do petróleo no mercado asiático retraíram entre 4% e 5%, na expectativa de prolongada queda na demanda chinesa, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo.

    Gastos de defesa da China crescem à menor taxa em 3 décadas

    Os gastos de defesa da China em 2020 devem crescer à menor taxa em três décadas, de acordo com o orçamento nacional divulgado nesta sexta-feira (22). O crescimento dos gastos de defesa em relação a 2019 será de 6,6% e deve ser investido sobretudo em "ciência e tecnologia ligadas ao setor de defesa", declarou o primeiro-ministro Le Keqiang. O valor total a ser investido em defesa é de US$ 178,16 bilhões (cerca de R$ 988 bilhões), o que representa um quarto dos gastos militares dos EUA, estimados em US$ 686 bilhões (cerca de R$ três trilhões), reportou a Reuters.

    Crianças chinesas usam máscaras protetoras, na capital chinesa, Pequim, 22 de maio de 2020
    THOMAS PETER
    Crianças chinesas usam máscaras protetoras, na capital chinesa, Pequim, 22 de maio de 2020

    Rússia deve permanecer no Tratado de Céus Abertos, diz vice-ministro

    A Rússia não tem a intenção de se retirar do Tratado de Céus Abertos, disse o vice-ministro das Relações Exteriores Aleksandr Grushko à Sputnik, nesta sexta-feira (22). "Temos que ter uma abordagem pragmática. Enquanto o tratado estiver em vigor [...] vamos observar os seus direitos e obrigações". Nesta quinta-feira (21), o presidente dos EUA, Donald Trump confirmou a intenção de se retirar o acordo, que é um dos últimos instrumentos do regime de controle de armas entre Rússia e EUA em vigor. Leia mais sobre a decisão 

    Mais:

    'Temo um genocídio', diz prefeito de Manaus com avanço da COVID-19 sobre indígenas
    China vê Pompeo como 'chantagista' após questionar democracia em Hong Kong
    OTAN nos deve US$ 200 bilhões por termos abdicado das armas nucleares, diz ex-parlamentar da Ucrânia
    Tags:
    Tratado Céus Abertos, Rússia, China, sanções, EUA, STF, Brasil, COVID-19, pandemia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar