00:07 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    9262
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas matérias mais relevantes desta sexta-feira (24), na qual o diretor-geral da Polícia Federal é exonerado do cargo, as tensões entre Pequim e Washington aumentam e Trump expressa dúvidas acerca da veracidade de relatórios sobre a saúde de Kim Jong-un.

    Coronavírus no Brasil

    O Ministério da Saúde confirmou 49.492 casos de COVID-19 e 3.313 vítimas fatais, um aumento de 8,2% no número de óbitos em 24 horas. Em somente uma semana, mais de 1.172 mortes foram confirmadas, o que leva o grupo de especialistas de sete universidades brasileiras Observatório COVID-19 a concluir que a propagação da doença no Brasil está mais acelerada do que na Espanha, reportou o portal G1.

    Enfermeiros do Hospital Dr. José Soares Hungria, em São Paulo, durante enterro de seu colega de trabalho, 23 de abril de 2020
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Enfermeiros do Hospital Dr. José Soares Hungria, em São Paulo, durante enterro de seu colega de trabalho, 23 de abril de 2020

    Diretor-geral da Polícia Federal é exonerado do cargo e STF aumenta pressão sob governo

    Nesta sexta-feira (24), o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeiro, foi exonerado do cargo. O diretor foi nomeado pelo ministro Sérgio Moro, que pode ser o próximo a deixar o governo Jair Bolsonaro. Leia mais sobre a exoneração aqui. Além disso, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello determinou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) avalie o pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, enviado à casa no final de março.

    Morador de São Paulo, cuja mãe faleceu recentemente de COVID-19, deixa mensagens de protesto na porta de sua garagem, 23 de abril de 2020
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Morador de São Paulo, cuja mãe faleceu recentemente de COVID-19, deixa mensagens de protesto na porta de sua garagem, 23 de abril de 2020

    Trump acredita que informações sobre doença de Kim Jong-un são incorretas

    Nesta terça-feira (23), o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou acreditar que as informações que indicam que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, estaria com graves problemas de saúde "são incorretas" e baseadas em "documentos antigos". Trump disse "ter uma boa relação" com a Coreia do Norte e com Kim Jong-un e esperar "que ele esteja bem". Leia mais sobre especulações sobre o estado de saúde do líder norte-coreano.

    Congresso dos EUA aprova pacote de ajuda de quase US$ 500 bilhões

    A câmara baixa do Congresso dos EUA aprovou um pacote de US$ 484 bilhões (cerca de R$ 2 trilhões) para financiar pequenas empresas e hospitais durante a pandemia de COVID-19. O legislativo norte-americano já canalizou quase US$ 3 trilhões (cerca de R$16 trilhões) em estímulos, enquanto o número de desempregados nos EUA chega a níveis superiores aos da Grande Depressão de 1929. Os EUA são o país mais afetado pela COVID-19 mundialmente, com mais de 869 mil casos e 49.463 mil vítimas fatais, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Médico com paciente que espera resultado de teste para a COVID-19, na cidade de Shawnee, no estado de Oklahoma, EUA, 23 de abril de 2020
    © REUTERS / Nick Oxford
    Médico com paciente que espera resultado de teste para a COVID-19, na cidade de Shawnee, no estado de Oklahoma, EUA, 23 de abril de 2020

    EUA não devem voltar a financiar a OMS, diz Pompeo

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acredita que os EUA podem não voltar a financiar a Organização Mundial da Saúde (OMS) no futuro e disse "estudar" a possibilidade de criar um órgão alternativo a ela. Os EUA suspenderam o financiamento da organização que coordena a resposta mundial contra a COVID-19, acusando-a de ser "centrada na China" e promover "desinformação chinesa" sobre o novo coronavírus. Os EUA eram o maior financiador da OMS, respondendo por cerca de 15% do orçamento da organização.

    China vai processar cidadão do Belize por 'interferência' em Hong Kong

    Nesta sexta-feira (24), a China anunciou que irá processar um cidadão do país centro-americano Belize, por financiar "elementos hostis nos EUA" e "conspirar com forças estrangeiras e anti-chinesas para interferir em Hong Kong". Ele também é acusado de financiar atividades que colocariam em risco a segurança nacional chinesa. A investigação criminal contra o cidadão de Belize foi concluída ontem pela procuradoria da cidade de Guangzhou e o processo deve ter início ainda hoje. Belize não tem relações diplomáticas com a China, mas sim com Taiwan, que a China considera uma república rebelde.

    Estudantes de Hong Kong retomam paulatinamente suas atividades escolares, 24 de abril de 2020
    © REUTERS / Jerome Favre
    Estudantes de Hong Kong retomam paulatinamente suas atividades escolares, 24 de abril de 2020

    EUA querem retomar liderança no mercado de energia nuclear

    Nesta sexta-feira (24), o Ministério da Energia dos EUA publicou um relatório no qual defende que os EUA devem reduzir a influência da Rússia e da China no mercado mundial de energia nuclear e retomar a liderança nessa esfera. O documento sugere que os EUA impeçam projetos de Pequim e Moscou em países "do Leste europeu e da África" e diminuam a importação de combustível nuclear produzido na Rússia. O relatório segue para apreciação do presidente dos EUA, Donald Trump.

    Mais:

    Rússia estaria desenvolvendo novo sistema capaz de neutralizar mísseis hipersônicos
    Mídia norte-americana revela objetivo da presença de aviões F-35 em 'local desconhecido' na Síria
    Como denúncias contra Bolsonaro no exterior podem impactar imagem do Brasil?
    Tags:
    Polícia Federal, pandemia, Sérgio Moro, Donald Trump, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar